Importação de etanol ameaça o RenovaBio, destaca presidente do Sindaçúcar-AL

Pedro Robério, presidente do Sindaçúcar-AL: “eles não têm compromisso com o RenovaBio” (Foto: Divulgação)

Com a implantação do RenovaBio no País, a importação de etanol americano para a região Nordeste no período de safra da cana tem preocupado o Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool no Estado de Alagoas (Sindaçúcar-AL).

O presidente Pedro Robério Nogueira atenta para o fato de que as janelas de importação se dão na entressafra, onde há um gargalo de oferta e demanda nos ciclos de produção no Sul, no Norte e no Nordeste, porém, nos últimos anos o produto americano chegou durante a safra nordestina.

“Quando o etanol americano chega em plena moagem da cana, desestimula a produção local. O que precisa ser verificado é que o Brasil agora está voltado para o Renovabio e para a expansão da oferta de biocombustíveis, com condições de ofertar etanol tanto para o mercado interno quanto para o mercado externo”, atenta Nogueira.

Ele explica que o Nordeste, durante a entressafra, complementa o etanol no mercado interno com produtos vindos de Minas Gerais. “Em alguns momentos, existe essa complementação. Mas não há necessidade de vir o produto do exterior durante o ciclo produtivo da cana”, afirma.

Nos últimos anos, alguns grupos estão usando a importação de etanol americano para aumentar a margem de atravessadores comerciais.

“Eles não têm compromisso com o RenovaBio nem com o consumidor e podem acabar desestimulando as empresas a investir na produção de biocombustíveis”, esclarece o presidente do Sindaçúcar-AL.

(Conteúdo do Sindaçúcar-AL)

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

X