fbpx

Grupo Vale do Verdão é o novo dono da Usina São Luiz

Unidade da Abengoa, em Pirassununga (SP), era disputada por três grupos do setor

Usina São Luiz fica em Pirassununga (SP)

A proposta do Grupo Vale do Verdão foi a vencedora no leilão da usina São Luiz, da Abengoa Bioenergia, com mais de 64% dos votos. A usina, localizada em Pirassununga (SP), será recebida como unidade produtiva isolada (UPI), sem dívidas.

O certame era disputado por três grupos do setor, que apresentaram o lance mínimo de R$ 385 milhões no leilão judicial da unidade. As outras propostas foram da usina Ferrari e dos empresários Mário e Adriano Dedini Ometto.

A oferta do Grupo Vale do Verdão foi considerada a melhor devido aos prazos de pagamento, que iniciarão com R$ 20 milhões em 30 dias, R$ 20 milhões em 60 dias e R$ 25 milhões em 90 dias. A partir de julho de 2021, começará o pagamento de outras 16 parcelas de R$ 20 milhões, corrigidas pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

“Temos que aguardar os trâmites burocráticos para poder assumir a unidade. Estamos muito animados”, afirmou o presidente do Grupo, Sergino Ribeiro de Mendonça Neto, ao JornalCana.

LEIA MAIS > Usina São Luiz, da Abengoa, é disputada por três grupos do setor

Mendonça Neto: estamos muito animados

Com três unidades localizadas em Goiás – a Vale do Verdão, Panorama e Floresta – a companhia, que processa sete milhões de toneladas por safra, poderá ver sua produção aumentar mais de 40%, já que a nova unidade adquirida tem capacidade de moer até 3 milhões de toneladas de cana por temporada.

A usina tem um parque industrial de cogeração moderno, o que vai permitir à Vale do Verdão também incluir bioeletricidade no seu portfólio. A empresa já vem investindo em projetos de energia renovável em suas unidades em Goiás, mas ainda não cogera.

Grupo Vale do Verdão trabalha com controle rigoroso de custos

Com faturamento anual de R$ 1,1,bilhão, o Grupo trabalha com controle rigoroso de custos e conservadorismo sustentável em relação ao mercado. A companhia possui uma estrutura bastante verticalizada, com capital próprio e pouco manejo de cana de fornecedores.

O grupo possui 81.850 hectares de lavouras de cana-de-açúcar; 95.000 ha de lavouras cultivadas com grãos a cada ano (7,2 mil ha irrigados em 72 pivôs) e 61.000 cabeças de gado em cria, recria e engorda (pasto + confinamento).

Sua controladora, a Fronteira SA, tem também a unidade Cambuí, que junto com as outras usinas, fatura próximo de R$ 1,5 bilhão, o que garantiria o pagamento e novos investimentos na unidade adquirida.

 

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
1 comentário
  1. Petrônio Diz

    Sempre com ótimas reportagens.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

4 × 1 =

X