fbpx

Geração distribuída chega a 1.731 conexões. Mas só uma é de biomassa

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), órgão regulador do governo federal, registrou no ano passado 1.731 conexões de geração distribuída, sistema pelo qual o próprio consumidor instala pequenos geradores, ou que troque energia com a concessionária.

O número de adesões é comemorado pela Aneel, segundo a qual apenas em dois meses o número de adesões de consumidores avançou 731 conexões.

O total de 1.731 conexões de geração distribuída representa uma potência instalada de 16,5 megawatts (MW).

Bagaço: em baixa no mercado de geração distribuída
Bagaço: em baixa no mercado de geração distribuída

Mas a biomassa, fonte da qual faz parte a palha e o bagaço da cana-de-açúcar, só registrou uma adesão, embora com grande força de potência instalada: de 1 MW.

A fonte mais utilizada pelos consumidores continua sendo a solar, com 1.675 adesões e 13,3 MW de potência instalada, seguida da eólica, com 33 instalações e 121 kW.

Atualmente, o estado que possui mais micro e minigeradores é Minas Gerais, com 333 conexões. Seguem o Rio de Janeiro, com 203, e o Rio Grande do Sul, com 186.

 

 

 

 

Saiba mais sobre Geração Distribuída

Em novembro de 2015, a diretoria da Aneel aprovou aprimoramentos na Resolução Normativa nº 482/2012 que criou o Sistema de Compensação de Energia Elétrica e permite que o consumidor instale pequenos geradores, tais como painéis solares fotovoltaicos e microturbinas eólicas.

Fonte: Aneel
Fonte: Aneel

Quando as mudanças entrarem em vigor, em março de 2016, será permitido o uso de qualquer fonte renovável (solar, eólica, biomassa, hídrica e outras que sejam dessenvolvidas), além da cogeração qualificada.

A geração distribuída possibilita que a unidade consumidora troque energia com a distribuidora local, com objetivo de reduzir o valor da sua fatura de energia elétrica.

Denomina-se microgeração distribuída a central geradora com potência instalada até 75 quilowatts (KW) e minigeração distribuída aquela com potência acima de 75 kW e menor ou igual a 5 MW (sendo 3 MW para a fonte hídrica), conectadas na rede de distribuição por meio de instalações de unidades consumidoras.

O cenário atual apresenta um crescimento significativo da geração distribuída. Em 2012 eram apenas três conexões no território nacional e, hoje, 1.731 consumidores produzem energia em suas instalações.

Os dados mostram também que entre as classes de consumo, a residencial é expressivamente mais utilizada.

A geração de energia elétrica perto do local de consumo traz uma série de vantagens sobre a geração centralizada tradicional, tais como economia dos investimentos em transmissão, redução das perdas nas redes e melhoria da qualidade do serviço de energia elétrica. A expansão da geração distribuída beneficiam o consumidor-gerador, a economia do país e os demais consumidores, pois esses benefícios se estendem a todo o sistema elétrico.

Mais informações sobre micro e minigeração podem ser acessadas na página eletrônica da ANEEL (www.aneel.gov.br) em informações técnicas – distribuição de energia elétrica – geração distribuída.

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
Comentários
Carregando...
X