fbpx
JornalCana

Fitch eleva rating da Jalles Machado para ‘AA-(bra)’

Companhia apresenta forte liquidez, beneficiada pelo IPO

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco de crédito, elevou na quarta-feira (2), o Rating Nacional de Longo Prazo da Jalles Machado para ‘AA-(bra)’, de ‘A+(bra)’.

A elevação do rating incorpora a expectativa de fortalecimento da geração de caixa da usina nos próximos três anos, que lhe permitirá investir na melhora de sua eficiência operacional e no aumento da capacidade de moagem ao mesmo tempo em que mantém indicadores de crédito conservadores.

A forte liquidez, beneficiada pelo IPO, que levantou BRL550 milhões em fevereiro de 2021 e o consistente desempenho operacional apoiarão a estratégia de expansão da capacidade de moagem em um milhão de toneladas em um cenário de preços atrativos. Também devem permitir que a companhia preserve baixa alavancagem durante o ciclo de investimentos.

O rating incorpora, ainda, o forte modelo de negócios da Jalles Machado, caracterizado por um portfólio de produtos de alto valor agregado, baixo custo-caixa de produção e incentivos fiscais no volátil setor brasileiro de açúcar e etanol.

LEIA MAIS > Sob risco de penalização, usinas precisam se adequar às normas de proteção de dados

De acordo com a agência, a estratégia da usina de aumentar sua escala de produção via investimentos brownfield fortalecerá sua capacidade de geração de caixa nos próximos três anos. A capacidade de moagem de cana-de-açúcar nas atuais unidades aumentará de 5,4 milhões de toneladas para 6,4 milhões de toneladas por ano até a safra 2024/2025.

A companhia avalia expandir sua capacidade em mais dois milhões de toneladas por meio de aquisição que pode aumentar sua diversificação geográfica.

“A Jalles Machado possui forte modelo de negócios, que lhe permite operar com uma estrutura de baixo custo-caixa que compensa grande parte dos impactos dos ciclos de baixa nos preços do açúcar e do etanol em seus fluxos de caixa. As altas margens operacionais refletem os incentivos fiscais concedidos pelo Estado de Goiás à venda de açúcar e etanol da companhia, e os de custos de terras arrendadas mais baixos que os de São Paulo. Além disso, o clima mais quente de Goiás e o uso de irrigação beneficiam a produção agrícola”, informa o relatório feito pela Fitch.

A Fitch pontua ainda que a companhia apresenta uma carteira de produtos diferenciados e possui adequada flexibilidade para alternar a produção entre açúcar e etanol, de acordo com os preços das commodities.

LEIA MAIS > Clima e possível redução de impostos sobre combustíveis são motivos de atenção no CS Brasil

Segundo o relatório, a previsão é que a Jalles Machado deve gerar EBITDA de BRL970 milhões e BRL900 milhões nos anos fiscais de 2022 e 2023, respectivamente, com margens de EBITDA de cerca de 65%. No ano fiscal de 2021, o EBITDA foi de BRL636 milhões, com margem de 59%.

Em função do manejo adequado e de investimentos em irrigação, a produção nas safras 2021/2022 e 2022/2023 não deve ser afetada pela seca e pelas queimadas de 2021.

A companhia deve reportar rendimentos agrícolas em linha com a média histórica e moagem média estável, em 5,3 milhões de toneladas, nesses anos.

Para o ano fiscal de 2024, o aumento esperado do volume moído deve compensar a queda projetada do preço das commodities e contribuir para um EBITDA de BRL850 milhões.

 

 

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
X
Visit Us On FacebookVisit Us On YoutubeVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram