fbpx

Firmado acordo inédito para implantação de polos de melhoramento genético

Unidade Morro Vermelho receberá outro campo para organismos geneticamente modificados para realização de estudos
Unidade Morro Vermelho receberá outro campo para organismos geneticamente modificados para realização de estudos

Um projeto inédito desenvolverá variedades de cana mais adaptadas às novas regiões da cana-de-açúcar. Essa novidade faz parte do acordo entre a Odebrecht Agroindustrial e o CTC – Centro de Tecnologia Canavieira que acabam de celebrar um acordo inédito para a implantação de polos de melhoramento genético da cana-de-açúcar em duas Unidades da empresa: Rio Claro e Morro Vermelho, ambas de Goiás.

Segundo o CTC, a parceria prevê a implantação de campos experimentais com 25 hectares cada, dentro das duas Unidades, onde cada um deles receberá um conjunto de variedades não comerciais (clones) já pré-selecionadas para as condições regionais. A Unidade Morro Vermelho receberá ainda um outro campo para organismos geneticamente modificados para a realização de estudos agronômicos de cana transgênica, um importante diferencial em termos de evolução em pesquisa de cana-de-açúcar visando ganhos de produtividade e sustentabilidade.

“O novo modelo de polos do CTC tem como foco o desenvolvimento de variedades adaptadas às condições de solo e clima específicos de cada região produtora e que atendam às necessidades e expectativas dos produtores. Outro diferencial é o fato de que os polos já estão sendo preparados e certificados para os estudos de cana-de-açúcar transgênica”, explica William Lee Burnquist, diretor de Melhoramento Genético do CTC.

Américo Ferraz, responsável por Tecnologia Agrícola na Odebrecht Agroindustrial explica que a empresa cultiva atualmente mais de 80 variedades da matéria-prima, sendo que na safra 2013/2014 apenas seis delas representaram 83% dos canaviais, condição explicada pelo desafio de rápida expansão de canavial para suprimento de matéria-prima para as Unidades da Odebrecht Agroindustrial. “A expectativa do trabalho com o CTC é que se tenha o censo varietal das unidades mais equilibrado, o que maximiza as toneladas de açúcares produzidos por hectare, diversifica o nosso portfólio e garante maior produtividade à empresa”, afirma.

Polos regionais

As duas Unidades fazem parte do novo modelo de polos regionais para desenvolvimento de variedades do CTC, que foi duplicado, passando de 12 para 24 unidades. Os polos estão estrategicamente distribuídos em diferentes usinas de forma a abranger praticamente a totalidade dos ambientes onde se cultiva de cana-de-açúcar no País.

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
Comentários
Carregando...
X