G20

Discussão sobre dimensão social da transição energética abre reunião do G20

Encontro com representantes das vinte maiores economias do mundo acontece, em Belo Horizonte (MG), até quarta-feira (29/05)

Discussão sobre dimensão social da transição energética abre reunião do G20

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, abriu, nesta segunda-feira (27), os trabalhos da terceira reunião do Grupo de Trabalho sobre Transições Energéticas do G20. Silveira destacou que é necessário entender a transição energética como novo modelo de desenvolvimento social e econômico.

O foco deste encontro, que acontece em Belo Horizonte (MG), até quarta-feira (29/05), é o aprofundamento das discussões sobre a dimensão social na transição energética global. O ministro enfatizou que a transição energética não pode ser entendida apenas como um processo de substituição tecnológico. “O Brasil e o mundo precisam garantir que ela seja um novo modelo de desenvolvimento econômico e social”, afirmou.

Segundo o ministro, falar em transição energética é essencial para garantirmos um futuro mais sustentável e resiliente para o país e para o mundo e que a energia será um grande fator de convergência entre os países.

“Para que ninguém fique para trás, precisamos efetivamente colocar as pessoas no centro do desenho de políticas públicas relacionadas à transição energética. Precisamos estruturar formas efetivas de combater a pobreza energética, e pensar em mecanismos que reduzam os custos das novas tecnologias e garantam o acesso por todas as camadas da população”, destacou Alexandre Silveira.

O ministro ressaltou ainda que os países do G20 precisam mitigar os impactos negativos causados por projetos de energia, incluindo os de tecnologias limpas, e de mineração, ampliando os benefícios e as contrapartidas sociais para as comunidades afetadas.

“Por orientação do presidente Lula, construímos uma agenda ambiciosa de entregas, orientada a ações, mas com um olhar especial para os dilemas e desafios que afetam principalmente as economias emergentes e os países em desenvolvimento”, detalhou o ministro de Minas e Energia.

MINAS GERAIS

Alexandre Silveira explicou também que Minas Gerais foi escolhida para sediar a terceira reunião do GT Transições Energéticas por o estado ser o maior produtor de energia fotovoltaica do Brasil. O estado possui os sete maiores complexos de geração de energia solar no país. Além disso, Minas é maior produtor mineral brasileiro e possui grande riqueza nos minerais estratégicos para transição energética, como o lítio do Vale do Jequitinhonha.

“Minas Gerais, que leva a sua riqueza mineral em seu nome, será fundamental nos minerais estratégicos para a transição energética. Nosso estado também possui a maior capacidade de geração de energia solar do Brasil. Temos água, solo, clima e muitas oportunidades. seguindo a orientação do presidente Lula, estamos trabalhando para aproveitar todo esse potencial, desenvolvendo políticas públicas que incentivem a geração de energia limpa, gerem empregos e renda para população.

G20 NO BRASIL

A presidência do Brasil no G20 tem como objetivo apontar ao mundo os desafios que precisam ser enfrentados para que essas transações se deem de forma justa, inclusiva e equilibrada. No GT, coordenado pelo MME, o objetivo de compartilhar informações e promover uma ação política coordenada para acelerar e ampliar os benefícios da transição energética para todo o mundo.

Uma das prioridades do Brasil, como presidente do G20, é a inclusão social e o combate à fome e à pobreza. “O tema energia está diretamente ligado ao desenvolvimento, tanto social quanto econômico”, finalizou Silveira para os participantes e convidados do G20. 

Banner Revistas Mobile