fbpx

Evento sobre Agroenergia é lançado em Porto Alegre

A parceria entre Emater/RS-Ascar, Embrapa Clima Temperado, Fepagro e Afubra foi ressaltada como fundamental para a realização da terceira edição do Simpósio Estadual de Agroenergia, cujo lançamento aconteceu na manhã desta quinta-feira, 15, em Porto Alegre. Participaram da cerimônia o secretário Estadual da Ciência e Tecnologia, Julio Ferst, o coordenador de Planejamento da Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária, Pesca e Agronegócio, Fernando Heemann, o Chefe Geral da Embrapa Clima Temperado, Waldyr Stumpf Júnior, o diretor presidente da Fepagro, Benami Bacaltchuk e a presidenta da Emater/RS, Águeda Marcéi Mezomo, entre outras autoridades, diretores e gerentes técnicos das instituições parceiras e representantes de empresas voltadas à produção de biodiesel e etanol.

“A agroenergia representa muito quando se pensa nas possibilidades de emprego e de melhoria de renda para o agricultor, pois as alternativas apresentadas para produção de biodiesel e etanol compõem diferentes matrizes produtivas para o Estado”, destaca a presidenta da Emater/RS, Àgueda Marcéi Mezomo.

Para o coordenador estadual de Agroenergia da Emater/RS-Ascar, Alencar Paulo Rugeri, a produção de culturas voltadas à elaboração de biodiesel e etanol avançou muito. O RS possui cinco usinas em operação e uma sendo instalada. “Nos últimos cinco anos, estamos mudando o cenário do Estado, mas precisamos consolidar as parcerias e agir com competência para atender à crescente demanda energética”, analisa Rugeri.

Promover a diversificação nas propriedades dos pequenos produtores de tabaco é um dos objetivos da parceria da Afubra na realização do Simpósio de Agroenergia, citado por Marco Antônio Dornelles, coordenador da Expoagro Afubra. Para ele, o mercado da agroenergia é importante para a agropecuária do Estado, e destacou que a Afubra desenvolve novos estudos de arranjos produtivos também no setor energético.

Pesquisa e Tecnologia – O RS, com sua diversidade cultural e de clima e solo, poderá ter sua atividade agrícola alavancada de forma mais equilibrada, obedecendo as aptidões apontadas pela pesquisa e mais produtiva em termos econômicos, ambientais e sociais. Para a Embrapa, estes aspectos representam oportunidades que necessitam ser potencializadas com transferência e aportes de tecnologia.

Para Waldyr Stumpf Júnior, Chefe Geral da Embrapa Clima Temperado, de Pelotas, unidade que sediará o Simpósio de Agroenergia, o evento é técnico-científico, mas também político. “Precisamos reforçar a importância da qualificação da base científica que é levada aos nossos produtores, garantindo sustentabilidade em todas as cadeias produtivas”, analisa. Stumpf também citou o investimento da Embrapa na pesquisa e na recuperação de cultivos como o do tungue, “que gera um excelente óleo de qualidade, da mamona, que já vem gerando renda a inúmeros produtores, e da cana-de-açúcar, com a instalação de uma rede de avaliação científica em diversas regiões do Estado, minimizando os riscos e garantindo políticas públicas para sua produção”.

“A qualificação da produção passa pela capacitação de técnicos e pesquisadores”, afirma Sérgio Delmar dos Anjos, pesquisador da Embrapa e presidente do Simpósio Estadual de Agroenergia, cuja proposta ele considera “interessante para a economia do Estado”.

RS autosufiente – A diversificação das alternativas, em especial das culturas de inverno, como a canola, foi defendida por Fernando Heemann, diretor de Planejamento da Seappa, representando o recém empossado secretário Gilmar Tietböhl, que destacou como desafio para o Estado, “nos tornarmos autossuficientes na produção de etanol”. Para ele, o RS possui matrizes produtivas importantes, “mas precisamos buscar outras alternativas, com potencial de desenvolvimento comprovado através das pesquisas realizadas pela Fepagro”, diz.

Para o secretário Estadual da Ciência e Tecnologia, Júlio Ferst, “precisamos estar inseridos e, como governo, apoiar as instituições de ensino, pesquisa e extensão, para nos mantermos competitivos no mercado”. Ferst defende que os técnicos, pesquisadores e cientistas gaúchos dominem componentes tecnológicos, que estão se incorporando às exigências mercadológicas globais, como a nanotecnologia.

O atendimento às demandas e as expectativas e perspectivas da agroenergia no RS, no Brasil e no mundo, serão temas de palestras, paineis e debates técnicos, durante o Simpósio Estadual de Agroenergia, que acontece de 10 a 12 de agosto, em Pelotas, pararelo à 3ª Reunião Técnica da Agroenergia, 10ª Reunião Técnica da Mandioca e 2ª Reunião Técnica da Batata-Doce. Mais informações pelo http://www.cpact.embrapa.br/eventos/2010/simposio_agroenergia/. As informações são de assessoria de imprensa.

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
Comentários
Carregando...
X