fbpx

EUA e Brasil alinhados no quesito “importância dos biocombustíveis”

Mais do que razões estritamente econômicas, alimentam um sustentável acordo de cooperação técnico ou comercial em biocombustível.

Tecnologia, desenvolvimento, inovação e estratégias podem ser as palavras chaves para conquistar o mercado norte-americano de biocombustíveis, diz o Chefe-geral da Embrapa Agroenergia, Frederico Durães.

O tema biocumbustíveis foi uma das pautas da reunião ocorrida no sábado, 14, na Casa Branca, em Washington, entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. Uma das principais demandas do presidente Lula é a derrubada das barreiras de importação pelos EUA para o biocombustível.

O presidente Obama, está preocupado em enfatizar no seu governo uma agenda ambiental positiva, além de apostar na utilização da biomassa para atender o mercado interno. Com esta abertura, a agenda brasileira pode ser expandida para atender parte deste mercado. Mas, para que essa proposta tenha sucesso, será necessária a mudança da agenda interna, incluindo a legislação norte-americana, que de acordo com Obama, este processo será demorado.

Para o Chefe-geral da Embrapa Agroenergia, este novo cenário pode ser uma estratégia para o Brasil conquistar novos mercados. O Brasil pode atender parte da demanda americana por etanol, com incremento de área e produtividade de cana-de-açúcar e eficiência de conversão em etanol. No curto prazo, o Brasil deverá cuidar da logística de transporte e escoamento da produção para novos mercados. Acordos bilaterais ou multilaterais deverão favorecer este comércio. No atual cenário, nosso país cultiva entre 7 a 8 milhões de área plantada de cana-de-açúcar e a proposta de crescimento deverá observar uma estratégia conservadora entre 2 a 3 vezes mais, ou incrementar de 3 a 10 vezes. Vale ressaltar, ainda, que a demanda de etanol é crescente no mercado interno e externo”, assegurou Frederico Durães.

Dados conservadores apontam que se a matriz mundial fizer substituição da gasolina por etanol em 10%, o Brasil pode contribuir em até 50% com esta oferta, num período de 10 a 15 anos. Os atores públicos e privados do Brasil, com esta perspectiva, podem vislumbrar estratégias futuras de mercado.

Nos EUA, para atender a demanda do etanol necessitaria aumentar a área plantada de milho, ou aumentar o percentual de destinação deste cereal para biocombustível, que não é possível por questões ambientais e pela pressão da cadeia produtiva animal. A abertura de mercado externo é a solução para uso de bioenergia neste país.

Durães certifica, que nos EUA, devido a restrição de área e questões ambientais, alternativas como a eólica, solar, rota temática de etanol lignocelulósico entre outras, estão sendo desenvolvidas. Algumas com alto custo, já outras, sem rota tecnológica completamente conclusa.

É aí, que entra o trabalho técnico/científico, especialmente do desenvolvido pela Embrapa Agroenergia, na caracterização de rotas tecnológicas e processos específicos, visando saltos de competitividade no negócio brasileiro para a melhoria da produção de etanol incluindo tecnologias de 2ª geração, destaca Durães.

Com as pesquisas realizadas e o conhecimento gerado, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, pode contribuir nas tomadas de decisões públicas e privadas com dados técnicos e consistentes. Estrategicamente, será fundamental o Brasil investir recursos densos em PD&I, evitando desta forma choque de competitividade, fortalecendo ainda mais a liderança do país na produção deste biocombustível. No contexto do Plano Nacional de Agroenergia, 2006-2011, cabe à Embrapa coordenar ações institucionais e um programa de desenvolvimento tecnológico que melhore os processos e as matérias-primas atuais e potenciais do país para a produção de etanol, biodiesel, florestas energéticas e o aproveitamento de seus resíduos para a obtenção de co-produtos. Isto implica, em desenvolvimento de tecnologia essencialmente agrícola e agroindustrial, que faça a ponte de ligação entre o conhecimento agronômico e o conhecimento industrial.

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
Comentários
Carregando...
X