fbpx
JornalCana

Estocagem de etanol exige financiamento de R$ 9 bilhões  

Apoio financeiro permite continuidade da safra no Centro-Sul

A safra de cana-de-açúcar do Centro-Sul tem potencial para ser uma das maiores da história, superando 600 milhões de toneladas, mas depende de medidas de apoio, devido ao cenário atual, conturbado pela crise sanitária e geopolítica. Uma das ajudas solicitadas ao Governo pelo segmento seria em relação a linha de financiamento, principalmente para estocagem de etanol, visto que a venda do biocombustível continua em queda e a produção vem aumentando dia a dia.

“O financiamento que pode manter nos estoques 6 bilhões de litros do biocombustível, volume equivalente a quase 25% da produção da safra 2020/21, exige 9 bilhões de reais”, afirmou o presidente da União da Indústria de Cana-de-açúcar (UNICA), Evandro Gussi. O apoio financeiro via instituições oficiais permitiria a continuidade da safra recém-iniciada no Centro-Sul, diante da queda drástica de preços e demanda pela crise do coronavírus, explicou o presidente à Reuters.

De acordo com Gussi, o financiamento para estocar 1/4 da produção de etanol teria que ter prazo de dois anos e juros semelhantes aos concedidos em pacotes emergenciais para outros setores. A solução financeira daria fôlego ao setor neste início da safra, momento que se tem o maior dispêndio de recursos, dando como garantia etanol em tanques lacrados, supervisionados por controladoras de primeira linha.

LEIA MAIS > Aprovada, CIDE valerá só em 90 dias

Para o presidente da UNICA, a linha de crédito seria nos moldes que o Governo já tem feito para evitar outros colapsos e sem a mesma, as usinas devem começar a parar a produção em duas ou três semanas devido à falta de fluxo de caixa.

“Ninguém está falando de lucrar neste momento, é sobreviver. Se a usina para, param os colaboradores e os fornecedores de cana. O setor emprega, entre diretos e indiretos, dois milhões de pessoas”, disse ele.

Gussi esclareceu ainda sobre:

Isenção de PIS/Cofins para o etanol

Os tributos devem ser retirados para toda a cadeia produtora, incluindo distribuidoras. Atualmente, produtores pagam 13 centavos de real por litro de PIS/Cofins e os distribuidores arrecadam 11 centavos, sobre vendas de etanol.

CIDE

O aumento da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE) para a gasolina para R$ 0,50 por litro daria mais competitividade ao etanol. O novo valor é o que o Ministério de Minas e Energia tem estudado e a avaliação leva em conta impactos ao consumidor.

Importação de gasolina

Importações de gasolina continuam crescendo. Em 2019, cresceram 60% ante 2018, totalizando 4,8 bilhões de litros de acordo com a ANP.

Enquanto isso, preço do etanol no Estado de São Paulo, principal produtor do Brasil, caíram cerca de 35% desde o início de março, enquanto as vendas das distribuidoras para os postos no país chegaram a despencar 60% nos piores momentos do isolamento social no país, segundo disse à Reuters a BR Distribuidora.

Medidas excepcionais e temporárias

É preciso levar em conta que o setor que contribui com a descarbonização da matriz energética e vem se preparando para expandir a produção, com o apoio do RenovaBio.

Gussi ressalta que o País precisa decidir se vai privilegiar a gasolina importada, que gera emprego fora, ou se vai manter uma indústria que é orgulho nacional, que está indo bem, que tem futuro incrível.

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
X
Visit Us On FacebookVisit Us On YoutubeVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram