fbpx

Empresa anuncia construção de planta de etanol de milho no Mato Grosso

Unidade deve produzir na segunda fase cerca de 227 milhões de litros por ano

Moraes: acreditamos na retomada da economia imediatamente à pós pandemia

A Maracajá Bioenergia fechou contrato com a LUCAS E3 — empresa norte-americana — para construir uma planta de produção de etanol de milho no município de Matupá (MT). A cidade fica há 680 km da capital Cuiabá. Com investimento estimado em R$ 250 milhões de reais a empresa já definiu o terreno onde será construída a planta. A primeira fase do projeto prevê alcançar uma capacidade de produção de 114 milhões de litros do etanol por ano. Além disso, A LUCAS E3, que fornece tecnologias, soluções e serviços para produção de etanol, contribuirá com o empreendimento aportando sua expertise no setor.

LEIA MAIS > Etanol de milho entra no radar das usinas

Cleocélio Assis Moraes é o CEO e acionista da Maracajá Bioenergia, juntamente com Osmar Dalla Costa, que é presidente do conselho. Moraes deu mais detalhes sobre o empreendimento, confira:

Em quanto tempo a planta ficará pronta?

Nossa programação tem como base o Licenciamento Ambiental, após isso acreditamos que no início do próximo ano [2021] iniciamos efetivamente a construção propriamente dita. Acreditamos que entre 13 a 15 meses devemos iniciar a produção na planta.

Qual será a capacidade de processamento? 

Vamos ter duas fases no projeto, na primeira fase serão processados 750 toneladas dia de milho. Na segunda fase vamos dobrar a quantidade processada chegando nas 1.500 toneladas de milho/dia.

O momento de crise econômico por conta da pandemia do coronavírus mudou algo na programação?

Não alteramos a programação, mas sentimos que as informações que precisamos dos órgãos públicos têm demorado mais do que o comum. No restante, esta tudo dentro do programado. Inclusive, acreditamos na retomada da economia imediatamente à pós pandemia, e consequentemente uma melhora no mercado onde vamos atuar. Por isso nosso planejamento não mudou, estamos confiantes no trabalho da área econômica do governo.

E quanto ao preço do milho, alguma preocupação?

Sobre o preço das comodities, acreditamos que as variações vão continuar, faz parte da oferta e demanda. Neste sentido já temos algumas estratégias definidas para um cenário pessimista.

De onde virá o milho que será processado?

A região onde Matupá está centraliza planta 500 mil hectares, podendo chegar a 3 milhões de hectares nos próximos anos.

Quanto a planta produzirá de etanol?

Na primeira fase cerca de 114 milhões de litros/ano e na segunda fase aproximadamente 227 milhões de litros anualmente.

Baixe o PDF da edição de maio/20 do JornalCana clicando aqui.

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

5 × um =

X