fbpx

Desempregados buscam emprego na safra de cana-de-açúcar

A moagem da cana-de-açúcar começou em Pernambuco e aumentou a corrida pelo emprego. Se nos anos de pico de obras no Complexo de Suape as usinas encontravam dificuldade para captar mão de obra, agora há disputa pelas vagas. Pelas contas do Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool em Pernambuco (Sindaçúcar-PE), a safra é responsável pela geração de 70 mil empregos, incluindo campo, indústria e administração. é um número importante para um Estado que tem a terceira maior taxa de desemprego do País (14%) e perdeu 68 mil postos de trabalho nos últimos 12 meses.

“Para cada mil toneladas de cana moída são gerados cinco empregos. E a expectativa para esta safra é de que a moagem alcance 13 milhões de toneladas, superando os 11,6 milhões da safra passada (um dos piores resultados da série histórica). Por sua topografia, Pernambuco tem um modelo que depende do homem em função da baixa mecanização”, explica o presidente do Sindaçúcar-PE, Renato Cunha.

O Estado conta com 15 usinas em atividade, sendo oito na Zona da Mata Sul, seis na Mata Norte e uma na Mata Centro. “Usinas de maior porte, com moagem superior a um milhão de toneladas de cana chegam a ter entre 4,5 mil e 5 mil pessoas trabalhando na safra. Em Pernambuco, a moagem começa em setembro e segue até fevereiro. São cinco meses para garantir renda certa para os que estão desempregados na Zona da Mata.

“Nos anos em que Suape estava em alta faltava gente para trabalhar no corte da cana, mas hoje a demanda de pessoal está bem maior do que a oferta de emprego. Um canavieiro recebe um salário de R$ 895 para uma jornada diária de oito horas ou pelo volume de três toneladas de cana cortada”, diz a assessora da área de Assalariados Rurais da Fetape, Ana Paula de Albuquerque.

Os canavieiros vão iniciar uma nova convenção coletiva no próximo dia 30 e vão pleitear um salário de R$ 1,1 mil. “A baixa demanda de mão de obra permitiu algumas conquistas, como o pagamento de uma cesta básica de R$ 35, mas esse valor foi corroído pela inflação e a categoria vai pleitear um reajuste desse valor para R$ 100”, adianta Ana Paula.

CANAVIEIROS

Cortador de cana por mais de 30 anos e agora presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de São Lourenço da Mata, Antônio Ferreira da Nóbrega, demonstra preocupação com a colocação de pessoal. “Algumas usinas investiram em colheitadeiras e estão contratando menos gente. cada máquina dessa substitui o trabalho de 150 pessoas e as empresas estão colocando essas máquinas nas de chão. Há três anos, quando Suape estava a todo o vapor, as usinas procurava o sindicato para convocar gente pra moagem. Pediam pra anunciar nas rádio e colocavam até bicicletas de som circulando pelos municípios. Agora é o contrário. Tem um monte de gente batendo na porta dos sindicatos e das usinas para pedir emprego”, lamenta.

Nóbrega destaca que quando acaba a moagem, os cortadores vão atrás de receber os recursos do Programa Chapéu de Palha, que paga até R$ 200 por um período de três meses e depois ficam na dependência do Programa Bolsa Família. “Na safra, os canavieiros estendem o horário de trabalho para tirar mais um trocado. Hoje a coisa está tão ruim que antes dava pra levar uma titela de galinha ou um pedaço de carne na marmita, mas agora é peixe ou um pedacinho de charque”, conta, fazendo referência à inflação.

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
Comentários
Carregando...
X