fbpx

Custos da produção agrícola podem aumentar com reforma tributária federal

Proposta eleva alíquota do ICMS

Fábio de Salles Meirelles, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp), alerta que o pacote fiscal do governo estadual para equilibrar o orçamento paulista em 2021 – Projeto de Lei 529/2020, encaminhado à Assembleia Legislativa em agosto – será muito oneroso para a agropecuária.

“A proposta aumenta genericamente para 18% a alíquota do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), agravando a taxação dos vários segmentos rurais que hoje recolhem abaixo disso”, explica. Haverá, ainda, impacto relativo aos preços de insumos e implementos.

LEIA MAIS > Consolidação do setor sucroenergético se intensifica

Considerando a significativa participação de São Paulo na produção agropecuária, incluindo o setor sucroenergético, a soma do pacote paulista com a reforma tributária federal poderá ter resultados graves para o setor.

Haverá impacto relativo aos preços de insumos e implementos

Dentre os projetos que tramitam em Brasília, o que mais preocupa Meirelles é a PEC 45, da Câmara dos Deputados, que taxa todos os produtos em 25%. Ele cita as outras duas propostas, a PEC 110/2019, do Senado, e o PL 3.887/2020, do Executivo, menos nocivas, mas também imperfeitas.

“É preciso bom senso e se encontrar um denominador comum, pois o agronegócio, cuja importância é crescente para a economia, a geração de empregos e a balança comercial de nosso país, não pode ser atingido por aumento de impostos”, afirma o presidente da Faesp.

“Defendemos que as reformas agilizem e simplifiquem, mas de forma que não onere o produtor. Isso afetaria de modo contundente sua competitividade”, conclui.

 

 

 

 

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

cinco − um =

X