fbpx
JornalCana

Crise alimentar mundial: agro brasileiro como parte da solução

Confira artigo de Jacyr Costa Filho

Jacyr Costa

A invasão russa à Ucrânia fez crescer vertiginosamente a ameaça de insegurança alimentar no mundo, sobretudo nos países mais pobres do Oriente Médio e da África subsaariana, seja pela alta nos preços dos alimentos e falta de fertilizantes – o que afeta a produtividade nas lavouras – ou pela escassez crescente de comida. O agronegócio brasileiro tem condições de atenuar esse grave problema, incrementando a sua produção.

Há uma onda global de protecionismo visando garantir o abastecimento interno em países que estão adotando medidas de restrição à exportação de alimentos. Desde o início do conflito no leste europeu, contabilizam-se 43 restrições à exportação de alimentos e fertilizantes mundo afora, cenário que levou o Banco Mundial a prever que os preços do trigo devem subir mais de 40% em 2022.

Neste contexto, as exportações de trigo pela Índia, importante produtor mundial, foram suspensas juntamente com as exportações de óleo de palma pela Indonésia, maior fornecedor do produto para os indianos.

LEIA MAIS > O que fazer para inserir os princípios do conceito ESG no dia a dia da empresa?

A queda no ritmo de fornecimento de fertilizantes da Rússia e a suspensão de operações envolvendo milho, manteiga, carne bovina e óleos vegetais provenientes da Turquia são outras evidências que perturbam a cadeia global de alimentos. Já se tem notícia, inclusive, de que alguns supermercados de economias desenvolvidas, como Espanha e Reino Unido, estão limitando a quantidade de cereais vendidos à população.

Neste cenário nublado, o Brasil pode ajudar a clarear o ambiente. Para tanto, é importante termos um Plano de Safra 2022/23 bastante robusto, com recursos substancialmente maiores do que os disponibilizados na safra anterior, praticando taxas compatíveis com a atividade agrícola.

O volume de recursos deve ser suficiente para atenuar a alta nos custos de produção, além dos elevados preços de energia e de fertilizantes. Impõe-se, também, o reforço do seguro rural para que o agricultor se sinta estimulado a enfrentar maiores riscos. Atualmente, o Brasil garante alimentos para cerca de 800 milhões de pessoas no mundo, segundo a Embrapa. Com estas medidas de curto prazo, poderíamos expandir este alcance.

LEIA MAIS > FAESP debate Segurança no Campo, Manual de combate à Incêndios e dúvidas sobre o CAR

O Brasil deve aceitar esta missão com vigor e confiança. Tem plenas condições de agregar ao seu poder exportador de commodities uma capacidade maior de fornecer produtos industrializados. Como cravou Horace Jackson Brown Jr., autor americano de diversos best-sellers, “nada é mais caro do que uma oportunidade perdida”.

Há pela frente um desafio e uma oportunidade de garantir alimentos ao mundo neste momento crítico de aumento da fome devido aos efeitos causados pela pandemia e pela guerra na Ucrânia. Temos vocação agrícola e domínio da moderna agricultura tropical com o uso das melhores tecnologias. Vamos produzir.

*Jacyr Costa Filho é presidente do Cosag – Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp e sócio da Consultoria Agroadvice.

 

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
X
Visit Us On FacebookVisit Us On YoutubeVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram