fbpx
JornalCana

Cresce interesse pelo uso do biometano nas redes de gás canalizado

Abegás e ABiogás querem acelerar a injeção de biocombustível gasoso nas redes de distribuição

Impulsionar o uso de biometano pelas concessionárias de distribuição de gás canalizado. Este é o principal objetivo da parceria formada no início deste mês pela Associação Brasileira de Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás) e Associação Brasileira do Biogás (ABiogás).

As duas associações formaram um grupo de trabalho (GT) para desenvolver ações e mecanismos que incentivem a injeção do biometano nas redes de distribuição das empresas – são aproximadamente 20 concessionárias em operação em todas as regiões do país.  A primeira reunião do “GT Biometano Abegás e ABiogás” foi realizada no dia 11 de maio, em São Paulo – SP, com integrantes das duas associações e representantes das distribuidoras e produtores de biometano.

LEIA MAIS > Chegou a vez do gás verde?

“A produção de biometano tem amplo potencial de expansão nos próximos dez anos. Nossa intenção é transformar em realidade todo esse potencial”, diz Marcelo Mendonça, diretor de Estratégia e Mercado da Abegás.

“O biometano é o biogás processado conforme a composição química prevista na regulamentação da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), ficando adequado para ser injetado na mesma rede já utilizada para a distribuição de gás natural. Do ponto de vista técnico e regulatório, portanto, não existe nenhum impedimento para que as distribuidoras façam aquisição de biometano – a tecnologia já é dominada no Brasil, inclusive com um case de sucesso no Ceará. Nossa missão conjunta é trabalhar para tornar o produto viável, tanto da lógica dos produtores como da demanda, ampliando a competitividade”, explica o executivo.

LEIA MAIS > Biometano pode garantir a segurança energética do país
(Divulgação Abiogás / Júlio Rua)

De acordo com a gerente executiva da ABiogás, Tamar Roitman, a produção atual é de 400.000 metros cúbicos/dia, mas esse volume deve crescer significativamente com as 25 novas usinas já anunciadas, somando investimentos de aproximadamente R$ 60 bilhões até 2030 para ofertar 30 milhões de metros cúbicos/dia. O potencial total do setor, segundo estimativas da ABiogás, pode chegar a 120 milhões de metros cúbicos/dia.

“A integração do biometano com o gás natural é essencial para alcançar os objetivos do Novo Mercado de Gás, que visa estimular a competição, eliminar barreiras de entrada de novos ofertantes, acabar com a concentração de mercado e flexibilizar a atuação de consumidores livres, entre outros aspectos. O biogás está distribuído por todo o país e pode promover a criação da demanda e atração de investimentos regionais. Não há dúvida de que a logística para a distribuição de gás, seja renovável ou não, é primordial para a economia do país, que deve se beneficiar das suas grandes oportunidades de produção nacional de combustíveis gasosos”, afirma Tamar.

LEIA MAIS > Brasil só aproveita 2% de sua capacidade de geração de biometano

“O país tem muito a ganhar incentivando a produção de biometano. É uma economia circular, que contribui para a agenda de descarbonização de diversos consumidores”, completa Tamar.

“Temos todo o interesse nessa agenda”, reforça o diretor. “O crescimento da oferta de biometano pode trazer mais opções para diversificar o portfólio nos processos de aquisição de gás para as distribuidoras, ampliando a competitividade do insumo para os consumidores”, acrescenta ele.

Distribuidoras buscam aquisição de biometano

Marcelo Mendonça

As associadas da Abegás veem o biometano com crescente interesse. Uma das principais referências é o exemplo da Companhia de Gás do Ceará (CEGÁS) com a GNR Fortaleza.

Pioneira no Brasil, a CEGÁS começou a injetar o biometano em sua rede em maio de 2018 – e hoje, o insumo representa quase 15% no volume de distribuição da companhia cearense. “Esse é um dos maiores percentuais de gás renovável do mundo injetado em rede por uma distribuidora. Com isso, a CEGÁS conseguiu diversificar o seu portfólio de suprimento e oferecer um produto renovável, o que é importante para esse movimento de transição energética”, diz o diretor-presidente da CEGÁS e presidente do Conselho de Administração da Abegás, Hugo Figueirêdo.

O biometano distribuído pela companhia é proveniente do uso de resíduos sólidos do Aterro Sanitário Municipal Oeste de Caucaia, localizado na Região Metropolitana de Fortaleza. A GNR Fortaleza aumentou recentemente sua produção em 20% para cerca de 100 mil metros cúbicos diários de biometano.

LEIA MAIS > Frente Parlamentar de Economia Verde debate inclusão do biometano no REIDI
(Divulgação Abiogás / Júlio Rua)

A MDC produz anualmente cerca de 120 mil metros cúbicos de biometano e essa oferta vai crescer em 50% em 2023 com a entrada em operação da terceira planta da companhia de energia renovável.

“A MDC é pioneira no desenvolvimento do biometano no país e começamos nossa produção em 2014, no Rio de Janeiro. Hoje, esse mercado está se desenvolvendo rapidamente e o melhor exemplo de como esse biocombustível tem potencial para expandir a oferta de gás renovável está no Ceará, a única planta no Brasil que injeta o biometano diretamente na rede de gasoduto. Em São Paulo, nosso próximo projeto em Caieiras também estará conectado à rede de distribuição”, explica a presidente da MDC, Manuela Kayath.

“Há uma demanda forte dos consumidores industriais pelo biometano, que traz maior previsibilidade de preços e reduz sensivelmente a pegada de carbono. Como empresa pioneira na distribuição nas redes de gás natural, estamos prontos para ajudar a desenvolver ainda mais esse mercado”, adiciona Manuela.

LEIA MAIS > Câmara aprova limite da alíquota de ICMS sobre combustíveis

Distribuidoras de outros estados também dão passos vigorosos para a aquisição de biometano. Em São Paulo, a GasBrasiliano será a primeira concessionária do país a distribuir 100% de biometano em uma rede dedicada que está construindo no oeste paulista.

Essa iniciativa é fruto de um contrato entre a distribuidora e a Usina Cocal, cuja planta de biogás de Narandiba, no oeste paulista, recebeu investimentos de R$ 150 milhões para estruturar a produção de biometano a partir do processamento de dois resíduos da cana-de-açúcar: a vinhaça e a torta de filtro. Já a GasBrasiliano fica responsável pela construção de 65 quilômetros de gasodutos para a distribuição do energético na região. O gás, cuja planta tem potencial de produção estimada em até 25 mil metros cúbicos/dia, será entregue aos municípios de Presidente Prudente e Pirapozinho.

Em junho do ano passado, a GasBrasiliano assinou um contrato com uma fábrica de biscoitos e massas instalada em Presidente Prudente, o que demonstra o interesse do mercado. A previsão do início da distribuição do biometano através da rede isolada de gasoduto é a partir do segundo semestre de 2022.

LEIA MAIS > 14% de biodiesel na mistura do diesel pode atenuar ameaça de escassez
Hugo Figueirêdo

No final de dezembro, a Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul (Sulgás), e a empresa SebigasCótica firmaram o primeiro contrato de suprimento de biometano do estado, como resultado da chamada pública para aquisição lançada pela Sulgás em 2020.

Com o contrato será instalada, no município de Triunfo, uma central de tratamento integrado de resíduos da atividade agrossilvopastoril, com capacidade para receber resíduos da agroindústria, que serão transformados em biocombustíveis.

O volume inicial estimado para os cinco primeiros anos do contrato de suprimento com a Sulgás é de 15 mil metros cúbicos/dia, a contar de 2024, ano em que está previsto o início da entrega. De acordo com o contrato, essa capacidade poderá ser ampliada para 30 mil metros cúbicos/dia a partir do sexto ano.

Outra empresa que trabalha para fazer aquisição de biometano é a Companhia Paranaense de Gás (Compagas), que prevê lançar no segundo semestre do ano uma chamada pública específica com essa finalidade, com planos de estimular o aproveitamento da geração de resíduos orgânicos das agroindústrias, estações de tratamento de esgoto, avicultura, suinocultura, aterros sanitários, entre outros.

LEIA MAIS > Grupo Novo Milênio avança no processo de transformação digital com implementações no controle de vapor e moenda

“Esta é uma oportunidade para atender demandas de localidades do Estado não atendidas pela rede de distribuição, mas também de ampliar o uso do biometano nos mercados cativos em alinhamento às práticas de sustentabilidade. Estamos preparando a Compagas para oferecer um combustível renovável aos seus consumidores”, destaca o diretor-presidente da Compagas, Rafael Lamastra Junior.

No Nordeste, a Companhia Pernambucana de Gás (Copergás) lançou em fevereiro o edital para a primeira chamada pública em Pernambuco destinada à aquisição de biometano, que prevê o início do fornecimento para 1º de janeiro de 2024, com prazo de contratação de 10 anos e volume mínimo de 3 mil metros cúbicos/dia.

“Recebemos quatro propostas de fornecimento, resultantes da chamada, e temos boa chance de em breve ter um primeiro contrato de biometano”, diz o diretor-presidente da Copergás, André Campos.

LEIA MAIS > Cocal e Raízen vão operar em parceria planta de energia elétrica a partir do biogás

Um dos focos estratégicos da Abegás e da ABiogás, com a parceria, é incrementar o uso do biometano para veículos pesados. “O Brasil, hoje, importa cerca de 6,5 bilhões de dólares de óleo diesel. O gás e o biometano podem ajudar nessa transição para uma matriz mais limpa e competitiva”, diz o Diretor de Estratégia e Mercado da Abegás, Marcelo Mendonça.

Em São Paulo, a Companhia de Gás de São Paulo (Comgás) e a Scania, fabricante de veículos pesados, firmaram uma parceria em 2021 para desenvolver o mercado de veículos pesados a gás.

A Scania produz caminhões que podem usar tanto gás natural como biometano ou mistura de ambos. E o veículo tem despertado interesse de companhias que buscam uma transição energética — do diesel para o gás natural ou biometano. Além disso, o novo contrato de concessão da Comgás, prorrogado até 2049, já prevê a contratação de biometano – sempre que em condições competitivas.

Plano federal

O Decreto nº 11.003, de 21 de março de 2022, institui a Estratégia Federal de Incentivo ao Uso Sustentável de Biogás e Biometano, com o objetivo de fomentar programas e ações para reduzir as emissões de metano e incentivar o uso de biogás e biometano como fontes renováveis de energia e combustível.

O decreto estabelece incentivos ao mercado de carbono, em especial o crédito de metano, a promoção da implantação de biodigestores e sistemas de purificação de biogás e de produção e compressão de biometano.  O plano prevê ainda o fomento ao desenvolvimento de pesquisas científico-tecnológicas sobre biogás e biometano e o incentivo à cooperação nacional e internacional para a implementação de ações de redução das emissões de metano, entre outros.

 

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
X
Visit Us On FacebookVisit Us On YoutubeVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram