Conteúdo de Marca

Agroterenas S/A Cana divulga prejuízo acumulado

Agroterenas S/A Cana divulga prejuízo acumulado

A Agroterenas S/A Cana, criada em 2010 a partir da associação da NovAmérica com a Cosan, controlada pelo grupo Rezende Barbosa, acaba de divulgar os prejuízos líquidos no exercício encerrado em 31 de março de 2015.

Conforme a Agroeterenas…. 

… em Assembleia Geral Ordinária realizada em 10/08/2015 na sede social da Agroterenas S/A Cana, em Paraguaçu Paulista (SP), a companhia informa que os prejuízos acumulados no exercício somam R$ 10.725.185,56.

Face ao prejuízo auferido, conforme a Agroterenas, houve absorção do saldo da Reserva Legal constituída em anos anteriores e do saldo da Reserva de Lucro a serem destinadas.

A Assembleia Geral Ordinária teve a mesa presidida por José Eugênio de Rezende Barbosa Sobrinho,  e, como secretário, Claudio Massayuki Takao.

Leia mais: Confira a lista das usinas atendidas pelo BNDES

Quem é

A Agroterenas produz cana-de-açúcar em Paraguaçu Paulista (SP) e, a partir de 2011, iniciou atividades em Deodápolis (MS) para fornecer cana-de-açúcar à ETH Bioenergia – unidade Rio Brilhante, atual Odebrecht Agroindustrial.

Em maio de 2015, a Agroterenas divulgou previsão positiva sobre a safra 15/16. Confira:

“A situação do canavial hoje é boa” é assim que começa a conversa com o Gerente de Planejamento Agrícola Corporativo Cana Cláudio Campidelli. Essa expectativa otimista se deve às condições de desenvolvimento da cana-de-açúcar que estão favoráveis este ano. “Agora só precisamos que o clima colabore para a maturação da cana e para as condições favoráveis à colheita” pondera Cláudio.

As previsões de um clima “normal” ao longo da safra 2015/16 aumentam o otimismo. As chuvas ocasionais e na hora certa que caíram até agora trouxeram um ganho de produtividade e possivelmente com o ATR maior.

Diante deste cenário, a produtividade média das canas nas unidades produtoras em São Paulo deve crescer 14%: na unidade Maracaí, passando para 72,20 ton/ha e na Unidade Paraguaçu passando para 75 ton/ha. Em Deodápolis – MS, as condições climáticas foram melhores ainda e, pelo fato do canavial ser mais novo, as projeções indicam aumento no TCH. Por lá a produtividade média será de 84 ton/ha.

Além disto, o bom desempenho esperado para esta safra é fruto dos investimentos em tratos culturais, num preparo de solo bem feito, renovação dos canaviais e uma equipe engajada e profissional.

Banner Revistas Mobile