fbpx

Conheça 9 usinas com manejo biológico que gera alta produtividade

Nove são brasileiras e uma é paraguaia

O manejo biológico e sustentável é umas das estratégias dessas 10 usinas

manejo biológico e sustentável da cana-de-açúcar é umas das estratégias mais importantes para quem faz plantio de cana e deseja obter alta produtividade. Antes de mais nada, vale destacar, que as técnicas de manejo biológico estão totalmente alinhadas com o processo acelerado de transformação digital que puxa a produtividade da cana. Ou seja, a Cana 4.0 já é uma realidade e para obtê-la é preciso dominar as principais técnicas. Quais são elas?

DESTAQUE > Cana-de-açúcar: como fazer manejo em lavouras incendiadas

No bojo das estratégias de manejo biológico e sustentável, podemos destacar algumas. Por exemplo: o controle biológico e o manejo integrado de pragas; a fertilidade e a microbiologia do solo; e as inovações em nutrição e maturação vegetal/foliar são práticas dos grupos e usinas de cana que são referência em produtividade.

Conheça a seguir 10 usinas de cana com manejo biológico e sustentável que gera alta produtividade
1 – Atvos

A expectativa do Grupo Atvos é terminar a safra 20/21 com moagem próxima de 26 milhões de toneladas de cana, o suficiente para produzir 1,9 bilhão de litros de etanol e 447 mil de toneladas de açúcar. Nesse ano, a empresa investiu R$ 350 milhões em renovação e expansão de canaviais e equipamentos agrícolas. A companhia conta com o projeto Cubo que permite o plantio de 4 mil a 5 mil hectares ao ano — o que, se traduzidos apenas em áreas novas, representa cerca de 300 mil toneladas de cana colhidas a mais em cada safra. Além disso, possui um forte trabalho de manejo biológico e sustentável. A companhia tem nove unidades distribuídas nos estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e São Paulo, e cerca de 10 mil funcionários.

2 – Biosev

produtividade agrícola do Grupo Biosev medida pelo TCH chegou a 94,5 ton/ha nessa safra. Um crescimento de 2,9% e resultado das melhores práticas agronômicas na renovação do plantio aplicada nos canaviais como o manejo de vinhaça localizada, adubação orgânica, tratamentos foliares e modernização do plantel varietal e, também pelas condições climáticas mais favoráveis (mais chuvoso) no período de formação do canavial (janeiro a março). Entre os altos índices operacionais registrados no período estão o ATR Produto de 129,0 kg ATR/ton (crescimento de 10,6%) e a Eficiência Industrial que cresceu 3,1%, atingindo 1,042, que também impulsionou o resultado operacional positivo de R$ 186,5 milhões.

3 – BP Bunge Bioenergia

A BP Bunge Bioenergia, está constantemente trabalhando na inovação do processo de plantio com o objetivo de reduzir os custos e melhorar a qualidade. Além disso, desenvolve um dos melhores processos de manejo biológico e sustentável do setor. Com 11 unidades em 5 estados, a companhia tem 450 mil hectares sob sua gestão e uma produção de 32 milhões de toneladas de cana. Para administrar tudo isso, emprega um modelo robusto de gestão de qualidade, com uso de tecnologias para otimização de estrutura na qualidade operacional.

4 – Ferrari

A Usina Ferrari se destaca pelo seu diferencial logístico, sua gestão da governança simples e ágil, pelo crescimento planejado e adequada estrutura de capital. Com capacidade de moagem de mais de 3 milhões de toneladas de cana para a produção de açúcar VHP e etanol anidro, etanol hidratado, levedura seca e cogeração de energia. Na área agrícola a unidade produtora é conhecida por seu trabalho inovador em Nutrição & Maturação Vegetal + Foliar.

5 – Lins

Usina Lins estima que encerrará a moagem da safra 20/21 em cerca de 4 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, contra 3,1 milhões de toneladas na safra 19/20. Significa um aumento de 29%. O aumento da moagem foi possível devido ao ciclo de investimentos iniciado em 2018 e finalizado em 2019 na unidade, localizada em Lins (SP). O investimento inclui expansão do canavial, aquisição de equipamentos agrícolas. A unidade também investe pesado em seu manejo agrícola, inovando em nutrição do solo e maturação vegetal.

6 – Otisa Azucar

Do Paraguai vem um ótimo exemplo de manejo no que diz respeito a fertilidade e microbiologia do solo. Trata-se da Otisa. Uma usina de açúcar orgânico localizada no Paraguai em uma região isolada chamada Arroyos y Esteros, com pouca comunicação com o resto do mundo. A cana-de-açúcar é cultivada em pequenas propriedades espalhadas. A Otisa o transforma em um grupo de preservação do meio ambiente controlado por produtores de cana-de-açúcar, que nos últimos dez anos cresceram para mais de 800 produtores certificados e, atualmente, com mais em processo de certificação.

7 – Petribú

A Usina Petribu, em Pernambuco, realiza um plantio de cana-de-açúcar inovador e diferente das usinas e produtores da região Centro-Sul. Dentre as técnicas que chamam atenção está o plantio de cana ensacada. Mas a unidade vai além e representa atualmente um dos melhores modelos de manejo biológico e sustentável obtendo resultados expressivos de fertilidade e microbiologia do solo.

8 – Raízen

É impossível que a Raízen fique fora de qualquer lista que fale sobre alta produtividade agrícola. O maior conglomerado do setor desponta em várias frentes e no caso no manejo biológico e sustentável, não deixa a desejar. As usinas do grupo estão entre as mais qualificadas no quesito inovações em nutrição e maturação vegetal e foliar. O grupo tem várias iniciativas em agricultura 4.0, mas um dos que se sobressaltam é o sistema de controle para aplicação aérea de insumos. De acordo com Pedro Leal Noce, gerente de Inovação Digital da Raízen, o sistema trabalha duas etapas importantes: o pré-vôo, que faz um georeferenciamento e apontamento de áreas com restrições; e o vôo para aplicação precisa de insumos agrícolas. Graças a tecnologia a operação cobre uma área de 417 mil hectares com uma média de 89% de acerto. 

9 – Santo Ângelo

Uma das usinas que adotou os biológicos para aumento de produtividade na plantação de cana-de-açúcar é a Santo Ângelo, instalada em Pirajuba, no Triângulo Mineiro. Atualmente a empresa produz açúcar VHP, álcool hidratado carburante (combustível) e energia elétrica, grãos e outros. Sempre preservando sua integridade com a sociedade e meio ambiente, em busca de melhorias de processos e desenvolvimento humano e tributa parte significativa de seu sucesso ao trabalho bem-sucedido de manejo agrícola.

O que essas unidades tem em comum em relação ao manejo biológico e sustentável?

Representantes desses grupos e usinas se unirão a produtores de cana e especialistas agrícolas visando ampliar ainda mais o benchmarking e a profusão de estratégias e técnicas da área, durante a  Maratona CANABIO de Manejo Biológico e Sustentável em Cana-de-Açúcar que se estende ao longo da semana de 05 a 09 de outubro.

Serão 5 webinares diários, de segunda à sexta-feira da semana que se inicia, sempre às 19h, com conteúdo técnico, exclusivo e gratuito. O evento online conta com apresentações de mais de 20 palestras de especialistas, produtores de cana e executivos de usinas.

Como conferir o programa completo e se inscrever?

Para visualizar o programa completo e participar gratuitamente através de um ambiente virtual criado exclusivamente para o evento, acesse: www.canabio.com.br

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
1 comentário
  1. Daniel Gouvêa Diz

    A Usina São Martinho e Boa Vista tem um belíssimo trabalho de manejo biológico. Vale conferir!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

dois × um =

X