fbpx

Concentração de ATR é favorecida pela falta de chuvas

Relatório mostra outros dados sobre colheita, rendimento da lavoura e condições climáticas nas lavouras canavieiras

Condição climática estimulou a concentração de açúcares na planta

A precipitação pluviométrica no primeiro trimestre da safra 2020/2021 se manteve abaixo do patamar histórico. No acumulado desde o início da safra até o final de junho, o volume de chuvas ficou 40% inferior à média histórica, apontam dados do segundo relatório do Cana Zoom.

“Trata-se de uma iniciativa inédita que reúne indicadores técnicos, operacionais e climáticos associados à lavoura de cana-de-açúcar no Centro-Sul”., afirmou Luciano Rodrigues, gerente de Economia e Análise Setorial da União da Indústria de Cana-de-açúcar (UNICA) ao falar sobre o Cana Zoom.

Segundo Rodrigues, o documento incluí dados e informações levantadas e analisadas pela UNICA, pelo Centro de Tecnologia Canavieira (CTC), pelo Sistema TempoCampo da ESALQ/USP e pelo Laboratório de Análise de Dados em Agronegócio e Bioenergia (LINEAR). Ao reunir grupos com expertise distinta, procuramos incorporar uma visão sistêmica e abrangente sobre o tema”, explicou.

LEIA MAIS > Webinar sobre gestão de ativos é oportunidade de qualificação gratuita
Luciano Rodrigues é gerente de Economia e Análise Setorial da UNICA

Conforme o relatório, as lavouras de São Paulo e Minas Gerais foram as mais afetadas pelo reduzido volume de chuvas, com precipitação acumulada apresentando retração de 50% na comparação com a média histórica.

A condição climática estimulou a concentração de açúcares na planta. No acumulado desde o início da safra 2020/2021 até o final de junho, o índice de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) por tonelada de cana-de-açúcar na região Centro-Sul alcançou 131,1 kg, ante 124,4 kg observados do último ciclo, crescimento de 5,6%.

O relatório informa ainda que o clima mais seco registrado nos três primeiros meses da safra 2020/2021 favoreceu a operacionalização da colheita, permitindo que o aproveitamento de tempo permanecesse acima da média histórica, atingindo 86%.

O resultado foi uma maior quantidade de cana-de-açúcar processada pelas unidades do Centro-Sul, com crescimento de 5,2% em relação ao ciclo anterior, totalizando 229,39 milhões de toneladas até o final de junho.

Já a área colhida até junho apresentou elevação de 3,5% no comparativo com a safra 2019/2020, com 2,67 milhões de hectares no Centro-Sul.

LEIA MAIS > Gestores apostam em técnicas para colher com mais qualidade

Sobre a produtividade agrícola no Centro-Sul, o primeiro trimestre da safra atingiu 85,9 toneladas por hectare, aumento de 1,6% frente as 84,6 toneladas no ciclo anterior.

O crescimento médio foi sustentado pelo aumento da produtividade em São Paulo, que registrou incremento de 3,8% até junho.

Clima mais seco favoreceu a operacionalização da colheita

No atual ciclo agrícola, a participação da cana-planta na área colhida atingiu 25% até junho, contra 22% na safra 2019/2020. Por conta disso, a idade média do canavial alcançou 3,2 anos no acumulado da safra, ante 3,3 anos na safra anterior.

Por fim, em junho, o rendimento médio da lavoura apresentou aumento de 2,9% na comparação com 2019, atingindo 88,3 toneladas por hectare.

As expectativas para os próximos meses apontam que o rendimento da lavoura deverá ser impactado pelo clima mais seco dos últimos períodos e, especialmente, pela colheita de canavial mais velho.

O relatório pode ser acessado por  AQUI.

 

 

 

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

18 − nove =

X