fbpx
JornalCana

Ciclo do agronegócio dá sinais de arrefecimento

Com a alta dos insumos, setor conviverá com margens menores e restrição de investimentos

Foto: Divulgação

O agronegócio demonstra sinais de acomodação do ciclo de pujança. Embora o preço das commodities agrícolas ainda permaneça em alta, tanto por conta de uma manutenção de demanda e incerteza com relação à oferta, o lado dos custos continua a pressionar as margens.

A guerra entre a Rússia e a Ucrânia desequilibrou o mercado, provocando entre outras coisas, uma grande volatilidade com aumento do custo do transporte marítimo e dos insumos agrícolas.

Os gastos dos produtores brasileiros com adubo subiram para US$ 9,6 bilhões nos cinco primeiros meses deste ano, 178% acima dos de igual período do ano passado. As importações de defensivos somaram US$ 1,74 bilhão em igual intervalo, crescimento de 94%. Isso mesmo em um cenário onde o produtor nacional reduziu o uso de fertilizantes em termos de kg/há.

LEIA MAIS > StoneX vê redução da importação de fertilizantes no 2º semestre

“Todo este cenário levará a uma maior pressão nas margens. Ao mesmo tempo, por conta da alta dos preços dos insumos, veremos menos apetite dos produtores em abrir novas áreas, e maior restrição a investimentos por parte dos financiadores”, explica o gestor da Mav Capital, André Ito. O executivo destaca que os produtores tentarão se valer da “reserva” de fertilidade que áreas maduras tem e investirão menos em adubo. “Esse acaba sendo um movimento de curto prazo, e nos anos subsequentes essas áreas precisarão novamente de aporte de nutrientes”, lembra.

Como resultado deste cenário, o setor passará por momentos de margens e produtividade mais voláteis. No entanto, segundo Ito, isso não quer dizer que o agronegócio vivenciará uma crise ou um cenário ruim nos médio e longo prazos, muito menos se espera margens negativas na produção dos próximos anos.

“Na verdade, estamos saindo de um momento espetacular para um momento bom que demanda mais capacidade do produtor rural, de comprar bem e vender bem”, diz.

Mesmo assim, ainda há muito espaço para investimentos no agronegócio. A demanda global por commodities agrícolas continuará crescente. De acordo com o relatório Perspectivas Agrícolas 2022-2031, elaborado pela OCDE, o consumo mundial de alimentos deve aumentar 1,4% ao ano ao longo da próxima década, impulsionado principalmente pelo crescimento populacional. Já a produção agrícola global deve aumentar 1,1% ao ano. Este descasamento exigirá investimentos em tecnologia, infraestrutura e treinamento, o que requer capital advindo do mercado.

LEIA MAIS > Estudo aponta efeito da taxa de câmbio e fertilizantes nos custos de produção de cana

“Neste sentido, gestores com capacidade de identificar boas oportunidades de negócio com uma interessante relação risco-retorno e que atuam de maneira nichada, sairão na frente. O momento que vivenciamos hoje traz grandes oportunidades para fundos de crédito estruturado”, afirma.

 

 

 

 

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
X
Visit Us On FacebookVisit Us On YoutubeVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram