Chineses e japoneses já participam do controle de 4 companhias ligadas a cana

chiEmpresas privadas e públicas da China e do Japão já possuem controle e participação acionária em quatro companhias ligadas ao setor sucroenergético brasileiro.

Essas participações são diretas e excluem presenças em fundos ou demais instituições com ações.

A negociação mais recente foi neste mês de setembro, com a entrada da chinesa State Grid Brazil Power no controle acionário da CPFL Renováveis S. A., empresa focada na gestão de eletricidade também da biomassa de cana-de-açúcar.

Em fato relevante divulgado em 28/09, o diretor de relações com investidores da CPFL Renováveis, Gustavo Sousa, informa que a State Grid adquiriu a fatia de 23% que a Camargo Corrêa possuía na companhia, a maior elétrica privada do Brasil. O valor do negócio é estimado em R$ 6 bilhões.

O Portal JornalCana apresenta a seguir informações relacionadas às quatro empresas do setor sucroenergético com presença de grupos chineses e japoneses.

1

stateCPFL Renováveis

Quem é: líder em geração de energia renovável no Brasil, com produção a partir de fontes alternativas, por meio do desenvolvimento, aquisição, construção e operação de um portfólio de pequenas centrais hidroelétricas (PCHs) , usinas eólicas, usinas térmicas movidas a biomassa (UTE) e usina solar fotovoltaica.

O portfólio atual é composto por 85 usinas em operação, totalizando 1.898,9 MW de capacidade instalada, sendo composto por 39 PCHs (422,9 MW)², 37 parques eólicos (1.104,9 MW), 8 UTEs (370,0 MW) e 1 parque solar (1,1 MW), 4 projetos em construção, totalizando 230,2 MW e ainda, projetos em preparação e desenvolvimento em três fontes (PCHs, usinas eólicas e usinas solares), no total de 2.987 MW.

O portfólio atual da CPFL Renováveis é capaz de gerar 6.961 GWh por ano, o suficiente para abastecer estados como Maranhão, Rio Grande do Norte ou Distrito Federal.

Quem é o acionista chinês?

É a State Grid Brazil Power, controlada pela State Grid Brazil Holding S. A. (SGBH), subsidiária da State Grid Corporation of China (SGCC). Gigante mundial na área de eletricidade, a SGCC figurou em 2010 como oitava no ranking de 500 mais ricas da Fortune Global.

A State tem 23% da CPFL Renováveis com a aquisição das ações da empresa então pertencentes à Camargo Corrêa.

Conheça as unidades termelétricas da CPFL:

cpfl

 

 

 

 

 

 

 

 

2

cofCofco Agri

A chinesa Cofco Agri, controlada pela estatal de alimentos da China Cofco, assumiu 100% das quatro unidades produtoras de açúcar e e de etanol da também chinesa Nogle Agri em março deste ano.

O controle total foi possível com a aquisição dos 49% restantes que a Noble possuía na companhia.

As quatro usinas sob controle da Cofco Agri têm capacidade para moer 15 milhões de toneladas de cana-de-açúcar. São elas: Unidade Catanduva, Unidade Meridiano, Unidade Potirendaba e Unidade Sebastianópolis.

A Cofco Agri atua na negociação e processamento agrícola de produtos originados em regiões de baixo custo, como a América do Sul, África do Sul, Europa Oriental, Índia e Austrália. Além disso, opera no abastecimento de regiões com alta demanda, como a Ásia e o Oriente Médio.

Na cogeração

Além das quatro unidades produtoras, a Cofco também controla a NG Bioenergia I, no município de Catanduva (SP), em anexo à unidade produtora Catanduva, em fase de implantação. A estrutura tem capacidade instalada de 47 megawatts (MW).

Leia também: Chineses ampliam presença no setor de cana

3

sumiCosan Biomassa

A Cosan Biomassa nasceu em fevereiro de 2016 por meio de joint venture formada pela Cosan, gigante de energia e infraestrutura no Brasil, e pela japonesa Sumitomo Corporation, um dos maiores grupos econômicos do Japão. A Cosan tem 80%, enquanto o restante da composição cabe à Sumitomo.

A joint é considerada a primeira empresa no mundo a produzir e comercializar pellets de biomassa produzidos a partir de palha e bagaço de cana-de-açúcar.

A tecnologia inédita criada pela Cosan usa exclusivamente resíduos de cana-de-açúcar para produzir pellets que podem substituir o carvão mineral, gás natural e óleo combustível na geração de energia elétrica e calor.

A empresa possui uma planta de produção na região de Jaú (SP), com capacidade instalada de 175 mil toneladas de pellets por ano. O plano é expandir a produção para 2 milhões de toneladas até 2025, e para 8 milhões de toneladas no futuro, confirmadas as expectativas de retorno e a demanda potencial para este produto.

4

mitUsina Santa Vitória

A japonesa Mitsui & Co. S. A. integra joint venture com a Dow no controle da companhia sucroenergética Santa Vitória, localizada no Pontal do Triângulo Mineiro, no estado de Minas Gerais.

A unidade começou a produzir etanol em 2015 e tem capacidade para produzir 240 milhões de litros de hidratado por safra. A capacidade de moagem é de 2,7 milhões de toneladas de cana-de-açúcar por safra.

Além da unidade produtora, a Santa Vitória também possui unidade termelétrica.

Leia mais: Térmica da Usina Santa Vitória registra mudanças

 

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

X