fbpx

CEISE Br pede apoio contra veto à desoneração da folha de pagamento   

Congresso e Senado receberam ofícios nesta segunda-feira (13)

O Centro Nacional das Indústrias do Setor Sucroenergético e Biocombustíveis (CEISE Br) enviou, nesta segunda-feira (13), à Câmara Federal e Senado Federal, ofício em que solicita apoio dos parlamentares para que o Congresso derrube o veto ao artigo que trata da prorrogação da desoneração da folha de pagamento para até dezembro de 2021.

“O CEISE Br solicita sensibilidade para que o Congresso mantenha a extensão da desoneração da folha de pagamento, até o fim de 2021, derrubando o veto do presidente Jair Bolsonaro ao artigo quando sancionou, na segunda-feira (6), à Medida Provisória (MP-936) que permite corte de salários e suspensão de contratos de trabalho”, afirma o documento.

LEIA > Tereos sugere pontos de atenção para fazer a gestão de pessoas das usinas durante a pandemia

Segundo o CEISE Br, caso mantido,  o veto 17 importantes setores da economia serão atingidos, entre eles o de máquinas e equipamentos, que estimam uma perda entre 500 mil a um milhão de postos de trabalho, a partir de janeiro de 2021, “quando o Brasil ainda estará, sem dúvidas, sofrendo os impactos econômicos e sociais da pandemia e tentando uma retomada”.

De acordo com Luis Carlos Júnior Jorge, presidente da entidade, a indústria de base da cadeia sucroenergética, em particular, já atravessou outras crises econômicas e setoriais, tais como as provocadas pela exploração de petróleo da camada pré-sal, pelo colapso econômico mundial de 2008, e por drásticas variações climáticas.

“Foram anos aguardando uma recuperação que começava a dar sinais positivos no início deste ano, principalmente pela implantação do Renovabio, mas que foi abortada com a disseminação do coronavírus”, disse.

Luis Carlos ressaltou ainda que, além dos impactos causados pela pandemia, pela falta de incentivo e/ou de condições alinhadas à sua realidade financeira, “as empresas estão trabalhando no limite de sua capacidade, recorrendo a demissões e, em muitos casos, encerrando suas atividades”, concluiu.

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

dois × 2 =

X