fbpx

Cattalini investe para ampliar tancagem

Para atingir a meta de 2 milhões de metros cúbicos de etanol exportados anualmente, atendendo mercados produtores do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná e parte de São Paulo, a Cattalini Terminais Marítimos anunciou ontem um investimento de R$ 60 milhões na construção de um novo terminal de combustíveis no terminal paranaense de Paranaguá. Serão instalados um número entre 18 e 20 tanques com uma capacidade total de cerca de 100 mil metros cúbicos para armazenagem de produtos inflamáveis, principalmente etanol, metanol, biodiesel e diesel. O projeto deve começar a ser implantado em julho e vai ocupar uma área de cerca de 25 mil metros quadrados no porto onde a empresa já opera.

Segundo o diretor-superintendente da empresa, Claudio Fernando Daudt, o chamado “Terminal 3” será adicionado a outros dois já instalados no Porto de Paranaguá, com capacidade total de 278 mil m cúbivos, aument! ando em 30% a capacidade de movimentação de granéis líquidos da empresa. Segundo Daudt, a nova estrutura será independente e dotada de todos os equipamentos e mecanismos necessários para atender com qualidade e segurança as operações, como caldeiras, estação de tratamento de efluentes e balanças. A obra deverá acontecer num prazo de 12 a 15 meses e terá início assim que as autorizações dos órgãos ambientais forem emitidas.

A Cattalini vem se especializando em formar estoques reguladores de grandes empresas como Petrobras, Methanex, Bunge, Sadia entre outros. “Grandes volumes são movimentados, garantindo uma ocupação permanente de nosso parque de tancagem”, disse Claudio Fernando Daudt. “Acreditamos no crescimento do etanol e vamos buscar centralizar o produto e o biodiesel em Paranaguá. Queremos oferecer uma estrutura que dê conforto aos clientes “, acrescentou.

1,3 bihão de litros

O Porto de Paranaguá possui mais de 1,3 bilhão de litros de capacidade de exporta! ção de álcool disponíveis nas estruturas pública e privada. Em 2006, foram embarcados 700 milhões de litros de álcool e, em 2007, uma queda no mercado internacional fez com que as exportações de álcool alcançassem 550 milhões de litros. No ano passado a movimentação chegou a 900 milhões de litros e a previsão neste ano é a de superar 1 bilhão de litros exportados.

“Em 2008, Paranaguá movimentou um volume que representa quase 30% de todo o etanol exportado pelo Brasil porque o Paraná se especializou nos nichos de mercado para o seu produto e hoje exportamos até quatro tipos diferentes de álcool”, informou o superintendente. Para ele, este crescimento se justifica pela agilidade com que o porto paranaense realiza este tipo de operação; “Enquanto o Porto de Santos atinge 474 mil litros por hora no embarque, o Porto de Paranaguá embarca mais do que o dobro: 1,1 milhão de litros por hora.

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
Comentários
Carregando...
X