fbpx

Brasil importará energia da Argentina e do Uruguai. Quem irá pagar?

A importação de energia elétrica pelo Brasil é medida já praticada. Em janeiro último, no dia 20, o Brasil já tinha comprado 165 megawatts (MW) da Argentina, o correspondente a 0,22% da carga verificada durante aquele dia (74 mil MW).

A compra foi necessária devido a corte preventivo de energia determinado pelo Operador Nacional do Sistema (ONS), que causou a interrupção no fornecimento de energia em parte das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

A importação em 20 de janeiro foi fruto de acordo entre o ONS e a Companhia Administradora del Mercado Mayorista Eletrico (Cammesa), da Argentina, cuja energia trocada deve ser compensada em função de acerto direto entre os dois operadores. Ou seja, a Argentina ficou com crédito energético diante o Brasil.

O Brasil importará eletricidade da Argentina e do Uruguai até dezembro. Mas quem pagará?

Até dezembro do ano passado, conforme apurado pelo JornalCana, o crédito emergencial acumulado a  favor da Argentina alcançava 9.185,81 megawatts-hora (MWh).

Mas a importação de energia elétrica da Argentina e do Uruguai “de forma excepcional e temporária”, oficializada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (26), não contempla o acordo de troca de créditos energéticos.

A determinação dispõe que a Petrobras será responsável por importar energia da Argentina perante a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), enquanto a Eletrobras será responsável pela importação de energia do Uruguai.

No texto, o Ministério de Minas e Energia (MME) destaca que não caberá às estatais arcar com repercussões financeiras decorrentes de eventual inadimplência no mercado de curto prazo resultante do processo de contabilização da energia elétrica importada.

 

 

 

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

X