fbpx
Cana-de-Açucar, Etanol, Açúcar e Cogeração

Bolsonaro quer reduzir ICMS sobre combustíveis

Redução do PIS/Confins também está em estudo

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (5) que deve enviar ao Congresso um projeto de lei complementar para fixar a cobrança de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que é estadual, sobre o valor do combustível aos consumidores.

De acordo com ele, outra proposta é que o ICMS seja cobrado sobre o preço dos combustíveis na refinaria, e não no preço médio nas bombas, como é feito atualmente.

“Nós pretendemos ultimar um estudo e, caso seja juridicamente possível, apresentaremos o projeto ainda na próxima semana, fazendo com que o ICMS venha a incidir sobre os preços dos combustíveis nas refinarias ou que tenha um valor fixo para o etanol, a gasolina e o diesel. E quem vai definir esse percentual ou valor fixo serão as respectivas assembleias legislativas de cada estados”, explicou o presidente.

Para discutir o preço dos combustíveis e formas de reduzi-lo ao consumidor, em especial em decorrência dos impactos no transporte de cargas, que afetam os caminhoneiros, Bolsonaro reuniu-se, na manhã desta sexta-feira (5), com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e os ministros Paulo Guedes (Economia), Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) e Bento Albuquerque (Minas e Energia), em Brasília (DF).

“A política energética do Brasil interessa a todos, não só aos caminhoneiros. Nós sabemos do peso do Estado na política energética”, disse.

LEIA MAIS > Jalles Machado confirma IPO no Novo Mercado da B3

Desde o início do ano, a Petrobras reajustou duas vezes o preço da gasolina e uma vez o preço do diesel. No caso da gasolina, a alta acumulada nas refinarias foi de cerca de 13%, enquanto o óleo diesel teve aumento de 4,4%.

Desde 2016, a Petrobras segue uma política de variação do preço dos combustíveis que acompanha a valorização do dólar e a cotação do petróleo no mercado internacional. Os reajustes são realizados de forma periódica e, de acordo com Castello Branco, essa é a melhor forma de manter a estabilidade econômica.

“Fazer diferente disso foi desastroso no passado. A Petrobras perdeu US$ 40 bilhões e os efeitos se espalhou para o restante da economia, contribuiu para piorar a percepção de risco do Brasil, o que tem reflexo nas taxas de câmbio, juros e inflação e desestimula os investimentos”, disse.

De acordo com a Agência Brasil, depois da definição dos preços nas refinarias, na composição final do diesel, por exemplo, cerca de 9% são impostos federais (PIS e Cofins) e 14% são de ICMS. Os demais custos, segundo dados da própria Petrobras, são distribuição e revenda (16%), custo do biodiesel (14%) e realização da estatal (47%). Com isso, o valor final ao consumidor chega a ser o dobro do das refinarias.

“Por outro lado, quando a Petrobras reduz o preço, nem sempre este é repassado ao consumidor,” disse Castello Branco. Segundo ele, de janeiro a maio do ano passado, a empresa reduziu em 40% os preços dos combustíveis na refinaria, mas, nos postos a redução foi só de 14%.

Segundo Bolsonaro, o projeto em estudo visa dar transparência e previsibilidade ao consumidor sobre o preço final dos combustíveis, como é feito com o PIS/Confins, que tem o valor fixo de R$ 0,35 sobre o diesel, enquanto o ICMS é variável, e cada estado decide o seu valor. A média nacional da alíquota de ICMS sobre o diesel é em torno de 16%, com variação de 12% a 25% entre os estados.

LEIA MAIS > China faz mega compra de milho e etanol nos Estados Unidos
Bolsonaro: política energética interessa a todos

Além disso, se a opção for a cobrança de ICMS sobre o valor nas refinarias, isso evitaria a bitributação e reduziria o preço final aos consumidores, já que o valor que chega nas bombas tem o peso dos impostos federais e demais custos, acrescentou Bolsonaro.

“Se o ICMS incide no preço da bomba, estão cobrando ICMS de PIS/Confins também, imposto em cima de imposto, uma bitributação”, alegou.

O governo federal também estuda a redução do PIS/Confins sobre combustíveis como compensação ao aumento da arrecadação.

A previsão da equipe econômica é de crescimento do PIB em torno de 3,5% neste ano, o que, de acordo com o ministro da Economia, Paulo Guedes, pode ser repassado à população em forma de desoneração de impostos, gradualmente.

“Como o Brasil começa a retomar o crescimento, os parâmetros fiscais mostram uma arrecadação crescente, e realmente tem acontecido isso. Então, em vez disso se transformar em aumento de arrecadação para o governo federal, podemos desonerar cada vez mais esses impostos”, disse Guedes.

LEIA MAIS > Primeiro ATR de 2021 tem aumento de 3,6% em Alagoas
Guedes: Não vamos esperar a reforma tributária

“Bolsonaro gostaria de zerar esse imposto federal, o PIS/Cofins, hoje em R$ 0,35 por litro de diesel, só que cada centavo são R$ 575 milhões a menos em arrecadação. Então, isso exige uma compensação pelo compromisso de responsabilidade fiscal”, completou.

De acordo com Guedes, o governo não vai esperar a reforma tributária, que deve levar em torno de seis meses para ser aprovada no Congresso. A decisão, segundo ele, sairá em até duas semanas.

“Não vai dar para esperar a reforma. Vamos rever os parâmetros de crescimento da economia deste ano e, se tiver um aumento substancial, nós podemos atuar em uma ou duas semanas nessa direção. Esses são os estudos que estão sendo conduzidos”, disse.

O ministro da Economia reconheceu ainda que o excesso de caga tributária é prejudicial e aumenta o Custo Brasil, sendo responsável pela perda de competitividade das empresas, pela baixa produtividade da indústria e pela baixa produtividade internacional. “É preciso desonerar, simplificar, reduzir, tirar o Estado do cangote do povo brasileiro”, afirmou.

 

 

 

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
Comentários
Carregando...
X