fbpx

Bolsonaro inaugura primeira planta de biogás da Raízen

Fábrica tem capacidade para abastecer cidade como Araraquara (SP)

Lideranças do setor sucroenergético participaram da cerimônia de inauguração da planta de biogás

A Raízen inaugurou nesta sexta-feira (16), a sua primeira planta de biogás em evento presencial, que contou com a participação de lideranças do setor sucroenergético e autoridades, entre elas, o presidente da República, Jair Bolsonaro, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Com construção iniciada em 2018, a unidade é fruto de uma joint venture entre a Raízen e a Geo Energética e tem capacidade instalada de 21 MW. Trata-se de uma das maiores fábricas de biogás do mundo e a primeira em escala comercial a utilizar a conversão da torta de filtro e da vinhaça, subprodutos do processo produtivo de etanol e açúcar, voltada para geração de energia elétrica.

A unidade aproveitará sua localização estratégica junto à usina Bonfim, em Guariba (SP), que processa aproximadamente 5 milhões de toneladas de cana-de-açúcar por ano. Assim, a planta de biogás operará durante todo o ano, produzindo energia durante a safra a partir do processamento da vinhaça, e, na entressafra, a partir do processamento da torta de filtro. “Com esse empreendimento, intensificamos esforços e colaboração para produzir biogás a partir do reaproveitamento de resíduos com objetivo de entregar uma energia limpa, renovável e com um potencial de desenvolvimento contínuo”, explicou o CEO da Geo Energética e presidente do Conselho da Abiogás, Alessandro Gardemann.

LEIA MAIS > Cresce o potencial do Biogás como opção lucrativa para usinas

A produção anual da planta será de 138 mil MWh/ano, o suficiente para abastecer a cidade de Araraquara, no interior paulista. Do total de energia gerada, 96 mil MWh serão vendidos dentro de um contrato negociado em leilão de 2016 no qual a Raízen foi a vencedora. O valor excedente de energia poderá ser negociado no mercado livre ou outros contratos.

De acordo com Ricardo Mussa, presidente da Raízen, o projeto amplia o portfólio sustentável da companhia, sendo um passo relevante em direção à matriz energética cada vez mais limpa que o Brasil merece.

LEIA MAIS > Raízen inicia atividades em sua planta de biogás

Ricardo Mussa, presidente da Raízen; Raphaella Gomes, diretora de Transição Energética e Investimentos da Raízen e Alessandro Gardemann, CEO da Geo Energética e presidente do Conselho da Abiogás.

“Estamos aqui para celebrar um marco importante na história da Raízen, uma empresa que já nasceu com a vocação de ser sustentável. Construímos uma trajetória vibrante, de inúmeras conquistas e realizações ao longo dos últimos 10 anos e nos consolidamos como uma empresa integrada em energia, atuando em toda a cadeia produtiva da cana, comercialização logística e distribuição de combustíveis”, disse.

Mussa reforçou que o biogás aumenta em 50% a produção de energia elétrica sem a necessidade de um hectare a mais de área plantada com uma tonelada de cana, ou seja, um claro exemplo de economia circular e um avanço no conceito de usina para um ecossistema completo, a biorrefinaria. “O Brasil é referência quando se fala em fontes renováveis de energia. O biogás é uma fonte que soma à base de energia limpa de forma complementar às demais fontes renováveis que já existem no Brasil e é uma vitória da Raízen, da sociedade e do país”, disse.

O executivo informou ainda que o próximo passo é usar o biometano, um dos processos que a nova unidade pode propiciar, para abastecer a frota de caminhões da empresa, que passa de 4 mil unidades, envolvendo todas as operações de logística e distribuição.

Mizutani: novo ciclo

“A partir da inauguração podemos confirmar uma série de premissas do projeto inclusive as externalidades, como o biometano. Confirmando isso, não tem motivo para ter novas plantas”, completou Raphaella Gomes, diretora de Transição Energética e Investimentos da Raízen.

Pedro Mizutani, conselheiro da Cosan, ressaltou a importância do momento e da fábrica, que teve a sua concepção iniciada há oito anos. “Essa planta de biogás vai promover mais energia limpa para o Brasil. É o início de um novo ciclo de produção de energia renovável”, assegurou.

LEIA MAIS > Raízen recebe autorização para comercializar energia a partir do biogás

Ometto: sempre tivemos foco em extrair o máximo da cana-de-açúcar

O presidente do Conselho de Administração da Raízen, Rubens Ometto, disse se sentir orgulhoso da Cosan e Raízen estarem na vanguarda das inovações, sendo pioneiras em vários processos. “Sempre tivemos foco em extrair o máximo da cana-de-açúcar“, disse, comentando que só 1/3 da energia contida em uma tonelada de cana vem da sacarose, de onde se tira o açúcar e o etanol; os outros 2/3 vêm da palha e bagaço da cana, que passaram a ser usados pela empresa.

Ometto manifesto ainda sua revolta em relação à campanha mundial sobre a questão ambiental e afirmou que o Brasil não pode cair em “armadilhas”. “Nós temos a matriz energética mais limpa do mundo, temos o maior absorvedor de CO2 do mundo, o maior produtor de oxigênio, que é a Amazônia”, disse.

O fundador da Cosan ressaltou ainda que é preciso sair da defensiva e ir para o ataque e que o Brasil precisa ter um programa de marketing e fazer pressão política. “Temos muitas ideias neste sentido e hoje foi o início de uma relação que eu quero cada vez mais próxima, do governo do presidente Bolsonaro, do ministro Bento (Minas e Energia), para que possamos atingir esses objetivos”, concluiu.

LEIA MAIS > Biogás: fator de redução da pegada de carbono do setor sucroenergético

Planta de biogás tem capacidade para gerar energia para abastecer uma cidade como Araraquara, no interior de SP

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, destacou a importância do empreendimento para o Brasil. “O biogás e biometano, além de serem utilizados para geração de energia elétrica, podem também substituir o óleo diesel nos ônibus, caminhões e máquinas agrícolas. Ou mesmo, no caso do biometano, ser injetado na rede de gasodutos, sendo consumido como substituto do gás natural. Temos aí a aprovação, em breve, do novo marco do gás (em tramitação no Congresso) e não tenho dúvida que essa nova indústria também vai se associar a isso, o que vai ser importantíssimo para a reindustrialização do país”, disse Albuquerque.

Segundo ele, o potencial de produção de biogás no Brasil, somente a partir da vinhaça, pode atingir em 2030 até 45 milhões de metros cúbicos por dia, o que corresponde a mais de duas vezes o volume médio de gás natural importado da Bolívia em 2019.

LEIA MAIS >Projeto de Lei cria política para incentivar produção e uso de biogás

Com a camisa da Raízen, Bolsonaro elogiou a  empresa e Rubens Ometto por acreditarem e investirem no Brasil

Para o ministro a diversificação da matriz energética se traduz em segurança energética e contribui para a transição em direção à economia de baixo carbono. De acordo com o ministro, os derivados de cana-de-açúcar respondem atualmente por mais de 17% da matriz energética brasileira e para 2030 será mais de 19%.

O presidente Jair Bolsonaro elogiou o trabalho da Raízen, por levar o projeto da fábrica de biogás adiante, e disse que quer estimular mais empresários do Brasil a investirem no país. “Só tenho a cumprimentá-los, a cumprimentar o senhor Ometto pela coragem de empreender. E ele sabe, cada vez mais, que hoje em dia conta com um parceiro de peso, que é o chefe do Poder Executivo e seus ministros para os seus empreendimentos”, disse.

Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, disse que a cadeia sucroenergética é um exemplo de sustentabilidade para o mundo e tem contribuído para recuperação de áreas de preservação permanente e recomposição da flora e fauna. “A qualidade do ar nos grandes centros (brasileiros) é muito melhor que em vários outros países graças ao etanol. Agora, a nossa esperança é que os veículos de transporte coletivo, passem a ser alimentados com o biometano produzido a partir da vinhaça. Será mais um exemplo para o mundo”, disse, completando. “O Brasil tem demostrado conciliar a produção agrícola e agropecuária com sustentabilidade, apoiado em um Código Florestal que nenhum outro país tem e em um setor que investe, respeita e trabalha pelo seu país e pelo mundo”, concluiu.

Esta matéria faz parte da edição de outubro do JornalCana.

Clique AQUI para conferir!

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

um × cinco =

X