fbpx

BNDES financia produção sustentável de biocombustível em usina no MS

Projeto irá cogerar energia suficiente para atender 15 mil residências

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento à Usina Laguna, localizada em Batayporã (MS), para geração de energia renovável a partir do bagaço da cana-de-açúcar, ampliação da capacidade de estocagem, incremento do potencial de moagem e investimentos no aumento e na renovação de seu canavial.

Com o projeto, o empreendimento terá capacidade de produção — para fornecimento ao sistema integrado nacional de energia elétrica — de 30 Megawatts (MW), o suficiente para atender a 15 mil residências. Além de incrementar a produtividade e diversificar as fontes de receita da usina, os investimentos contribuirão para o aumento da produção sustentável de biocombustível, a manutenção da segurança energética no Brasil e a geração de empregos na região.

A sinergia da operação com o planejamento do BNDES é explicada pelo Chefe do Departamento do Complexo Agroalimentar e de Biocombustíveis do BNDES, Mauro Mattoso.

“O projeto apoiado está alinhado ao Plano Trienal do Banco, pois visa ao aumento de produtividade, da competitividade e do emprego, integrando inovação, exportação, empreendedorismo e descarbonização por meio da ampliação e da modernização da usina”. A exportação a que se refere o executivo significa o fornecimento ao sistema integrado nacional — não caracterizando, portanto, fornecimento de energia para outros países.

LEIA MAIS >  Usina 4.0: conheça as tendências e inovações em instrumentação e automação

A Usina Laguna produz etanol hidratado e emprega atualmente cerca de 660 funcionários — em sua maioria, moradores do município, que tem pouco mais de 11 mil habitantes. Com o financiamento do BNDES, essa quantidade deve ser ampliada para 741 empregados, contribuindo para o desenvolvimento regional.

“O apoio do BNDES será essencial para o crescimento da Usina Laguna. São investimentos relevantes em expansão da nossa capacidade de moagem e produção de etanol, além de podermos adicionar ao nosso portfólio de produtos a cogeração e exportação de energia elétrica”, declarou Romildo Cunha, diretor comercial da usina. A operação também terá impacto positivo na cadeia industrial brasileira, uma vez que recursos do Banco serão utilizados na aquisição de equipamentos intensivos em tecnologia de fabricação nacional.

LEIA MAIS > Pedra Agroindustrial é exemplo de como automatizar usina sem grandes investimentos

O financiamento do BNDES será de R$ 80,2 milhões. Os recursos serão aplicados majoritariamente (75%) na ampliação da capacidade de moagem de cana para até 1,5 milhão de toneladas/ano e de estocagem de etanol (de 30 mil para 50 mil m3) e no aumento da capacidade de cogeração a partir do bagaço da cana. Parte será investida na renovação e ampliação de 2,97 mil hectares de canavial. A expectativa é que a energia comece a ser disponibilizada no sistema integrado nacional de energia elétrica em 2022.

“O projeto também será importante para fomentarmos a expansão do setor sucroenergético e da energia renovável no Mato Grosso do Sul, com geração de empregos, impostos e incentivo aos fornecedores e parceiros locais”, complementou Cunha.

 

 

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

dezoito − 6 =

X