fbpx
JornalCana

Através de análise genética pesquisador da UFPE avalia potencial de adaptação da cana

Método busca genótipos com alto potencial de adaptabilidade e estabilidade para elevar a produtividade dos canaviais

O professor João Dutra Filho, do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas no Centro Acadêmico de Vitória (CAV) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), desenvolveu uma nova metodologia para análise da divergência genética em cana-de-açúcar, buscando genótipos com alto potencial de adaptabilidade e estabilidade para elevar a produtividade dos canaviais.

“As características visíveis e particulares de uma espécie, ou fenótipo, se devem à constituição genética e à influência do ambiente; a partir da observação da variância comum (ANOVA), podemos analisar a variância em fenotípica, genotípica e ambiental”, afirma o autor.

O estudo avaliou a cana-de-açúcar no momento da colheita, aos 16 meses, quanto às características de toneladas por hectare, toneladas de açúcar produzido por hectare e percentual de sacarose no caldo, entre outros, a partir de uma análise livre da ação externa do ambiente.

Segundo a pesquisa, a avaliação de divergência genética quando baseada na aparência (fenótipo) do produto pode causar alterações nas análises estatísticas, ou seja, os genótipos mais divergentes podem ocorrer pela influência do ambiente na expressão fenotípica dos caracteres.

LEIA MAIS > Usinas do Brasil fixam safra 22/23 de açúcar em 11 milhões de toneladas para exportação    

“Já a análise da divergência com base nos valores genotípicos dos caracteres, sem a influência dos fatores ambientais, aumenta a precisão da análise, podendo-se verificar quais genótipos realmente são mais similares ou distantes geneticamente e, assim, elaborar uma campanha de cruzamentos com maior precisão e maior probabilidade de obter novos genótipos de maior produtividade e com caracteres agronômicos favoráveis”, explica João Dutra.

De acordo com o pesquisador, a acuidade dos resultados de uma análise de divergência genética com base em dados genotípicos se dá pela verificação real dos genótipos mais distantes geneticamente e, desta forma, pode-se elaborar uma campanha de cruzamentos com maior segurança e maior probabilidade na obtenção de novos genótipos com elevado potencial de adaptabilidade, estabilidade e produtividade. “Com essa metodologia podemos identificar os genótipos com alto potencial de adaptabilidade e estabilidade para elevar a produtividade dos canaviais”, constata.

LEIA MAIS >  Moagem ultrapassa 500 milhões de toneladas no Centro-Sul

O estudo “Genetic divergence for adaptability and stability in sugarcane: Proposal for a more accurate evaluation”, publicado na Plos One, aponta que o sucesso de qualquer programa de melhoramento depende da realização de cruzamento entre genótipos não aparentados, possibilitando uma depressão por endogamia, ou seja, a manifestação de caracteres indesejáveis como a baixa produtividade.

“Essa metodologia não vai resolver todos os problemas que existem nos programas de melhoramento genético, mas é uma opção a mais para ser explorada, pois se trata de uma metodologia de custo zero que pode ser aplicada em outras culturas sem nenhum problema”, explica o autor.

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
X
Visit Us On FacebookVisit Us On YoutubeVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram