fbpx

Armazenagem deve ser vista como um cofre

Com o início da colheita de soja, além da produtividade, o agricultor deve ficar atento ao armazenamento dos grãos e às técnicas e equipamentos adequados para a medição da umidade.

Técnicos alertam que um dos grandes riscos de prejuízos da atualidade é o alto índice de umidade da soja, pois compromete a rentabilidade do produtor.

“A soja é um produto dolarizado, por isso o produtor deve enxergá-la como uma aplicação financeira. É preciso pensar na armazenagem como

um cofre, que se o dinheiro estiver molhado, mofa e estraga”, diz o engenheiro agrônomo, Yoshio Fugita, fiscal federal agropecuário da Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento do

Mato Grosso do Sul.

Fugita entende que as cooperativas não ensinam aos funcionários os cuidados para uma armazenagem correta. “Além do armazenamento correto, o produtor precisa atualizar o método de determinar a

umidade do grão. Hoje os produtores ainda utilizam o determinador de umidade universal, um equipamento jurássico e ultrapassado. Quem o utiliza ainda é o homem da pedra. Este equipamento tem resultados oscilantes e imprecisos”.

Na opinião de Fugita, hoje os principais determinadores são as estufas em conjunto com os determinadores de umidades eletrônicos, mais modernos, práticos e rápidos. “Além do equipamento é preciso ter pessoal treinado para acompanhar o processo”, diz Fugita.

Outra ressalva: além do determinador eletrônico de umidade e a estufa, o produtor deve ter uma balança eletrônica de precisão.

Para Fugita, os cuidados começam na amostragem e classificação vegetal, etapas obrigatórias para o armazenamento.

Confira matéria completa na edição de fevereiro do JornalCana, disponível neste site.

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
Comentários
Carregando...
X