Usinas já fixaram cerca de 21 milhões de toneladas de açúcar para esta safra

Afirmação é da Archer Consulting

“O sofrível desempenho da moagem de cana no Centro-Sul nesse início de safra induz a uma correção das estimativas de produção de boa parte dos analistas, que estavam em torno de 555 milhões de toneladas, mas que agora propendem-se aos 530 milhões de toneladas”, afirma Arnaldo Luiz Corrêa, diretor da Archer Consulting.

Segundo ele, além da redução no volume de cana, também preocupam os usineiros a redução de área, que migra para outras culturas mais vantajosas, como os grãos e da produtividade, pois o ATR está mais baixo do que o esperado.

“No entanto, o mercado futuro de açúcar em NY não reage a esse sentimento ainda, seguramente à vista de um exuberante volume de açúcar já fixado para esta safra, ao redor de 20-21 milhões de toneladas”, informa.

O consultor explica que, na hipótese de uma reação dos preços futuros, ela deverá ocorrer conforme a moagem avança e números mais precisos despontem das unidades produtoras. Enquanto isso, a curva de preços em NY para os três vencimentos que correspondem à safra do Centro-Sul, mostra ligeiro carrego equivalente a 2.50 % ao ano, impelindo os consumidores industriais a protelarem suas compras no limite.

LEIA MAIS >  COO da Usacucar compartilha detalhes de case de transformação e planejamento estratégico

“Acrescente-se à passividade do mercado futuro, o admirável desempenho da Índia nesta safra que deve culminar em uma extraordinária exportação próxima aos 10 milhões de toneladas de açúcar, volume impremeditado há apenas 6 meses”, disse.

E não é apenas na exportação que o país surpreendeu, também o fez na produção de açúcar (35.5 milhões de toneladas contra 31 no ano passado), na produção de etanol (3.5 bilhões de litros contra 2.4 na última safra) e no consumo interno de açúcar, recuperando-se do ano passado (26.5 milhões de toneladas) e atingindo quase 28 milhões de toneladas este ano.

Arnaldo Correa

“O mundo, portanto, pelo que se depreende, está bem abastecido de açúcar. O comprometimento comercial das usinas na produção do açúcar que já venderam e fixaram em robusto volume, mas ainda não produziram, deve restringir novas vendas do produto e maximizar a produção de etanol que, apesar da contenção no ajuste de preços da gasolina por parte da Petrobras, hoje com defasagem de inacreditáveis 30%, negociava na sexta-feira a valores equivalentes ao açúcar de NY mais 20 pontos”, comentou.

LEIA MAIS > Cenário foi positivo para os preços do etanol na safra nordestina 2021/22

Corrêa sugere ainda que a indústria sucroenergética deve se resguardar diante das eleições que ocorrem este ano, já que independente do candidato a vencer, a política de preços populista na Petrobrás deverá se perpetuar.

“Tudo caminha para que tenhamos crises após crises independentemente de quem ocupará a cadeira do Planalto em 2023. Sob esse céu com nuvens carregadas, fixar preços do açúcar para a próxima safra (2023/24) em reais por tonelada ou em centavos de dólar por libra-peso sem seguro, se mostra tão arriscado quanto entrar numa sala escura de 10 metros quadrados sabendo que lá dentro tem um inupto orangotango à espreita”, elucidou.

LEIA MAIS > Feplana espera do Senado nova lei para registro de defensivos agrícolas

Segundo o consultor, a primeira estimativa da Archer sobre o volume de fixação das usinas para os açúcares de exportação da safra 2023/24 indica que 17.5% do volume de exportação para aquela safra estão fixadas ao preço médio de 17.26 centavos de dólar por libra-peso sem prêmio de polarização. A fixação corresponde a R$ 2,259 por tonelada FOB Santos, com prêmio de polarização ou 95,09 centavos de reais por libra peso, com polarização.

 

AçúcarArcher Consultoriaexportação