Usina São Manoel renova certificação Bonsucro

Desempenho sustentável da companhia foi o melhor desde 2011, quando recebeu o certificado
São Manoel investe na transformação digital no seu processo de produção

Por mais um ano, a Usina São Manoel mantém sua certificação junto a Bonsucro. O padrão Bonsucro avalia os impactos da produção de cana-de-açúcar, açúcar, etanol e energia na biodiversidade, no ecossistema e nos direitos humanos, além do cumprimento às exigências legais e a melhoria contínua nos processos de produção.

A auditoria para a recertificação realizada pela empresa SGS, aconteceu em julho, e entre os pontos positivos, os auditores destacaram excelente estrutura, organização da empresa, relatório de sustentabilidade e a disponibilidade das equipes.

Assim, na área agrícola o desempenho sustentável da usina foi de 95% e na industrial de 100%, uma média de 97,5%. A certificação é referente a uma área plantada de 37.525,50 hectares e a uma produção de cana de 2.483.090,07 toneladas, com desempenho sustentável de 78% e 77%, respectivamente.

Este volume corresponde a uma produção de etanol de 107.485,4 m³ de etanol e 157.088,8 toneladas de açúcar, ambos com 77% de desempenho sustentável.

LEIA MAIS > Gestores sugerem soluções para impulsionar resultados na crise

De acordo com Silvio Luís Nicoletti, gerente administrativo da companhia, a São Manoel possui a Certificação Bonsucro desde 2011, sendo uma das primeiras usinas no Brasil a obter o certificado.

Desde então, a empresa vem melhorando, a cada safra seu desempenho. “Os indicadores Bonsucro são uma importante ferramenta de monitoramento das ações socioambientais desenvolvidas pela São Manoel, demonstrando todo o compromisso com seus stakeholders”, disse, completando “Em 2020, a companhia obteve seu melhor desempenho na calculadora, uma ferramenta que avalia o desempenho dos indicadores no Padrão Bonsucro”.

Usina também já é certificada no RenovaBio

A São Manoel também já foi certificada no RenovaBio e já está apta a emitir CBios. Assim como ocorre com a comercialização de etanol, os CBios serão negociados pela Copersucar S/A, da qual a usina é associada.

A companhia pode emitir 192.375,40 CBios e o start da comercialização dependerá da demanda de mercado.

Com bons resultados conquistados até agora, as expectativas da empresa para a segunda metade da safra são boas. A São Manoel irá trabalhar com um mix de 55% para a produção de açúcar e 45% para etanol, processando 3,6 milhões de toneladas de cana; 5.240.794 sacas de açúcar; 140.000 m³ de etanol e 46.961 MWh de energia.

Na busca por uma melhor gestão agrícola, industrial, benefícios econômicos e ambientais, a São Manoel vem investindo na transformação digital no seu processo de produção.

LEIA MAIS > “Não tem cabimento tributar o CBio’, afirma diretor do MME

Segundo Nicoletti, a usina está alinhada com as novas tecnologias e as práticas inovadoras de mercado. A utilização de piloto automático, controladores de vazão em aplicações sólidas e líquidas, assim como a utilização de drones para controle biológico e mapeamento aéreo de canavial; controles de frota por monitoramento em tempo real (computadores de bordo); planejamento digital de plantio; uso de ferramentas de data mining para planejamento e controle além de ferramentas de geoprocessamento para análises espaciais de dados são algumas ferramentas já usadas pela usina.

Recentemente, a São Manoel implementou o software S-PAA na área industrial, com a aquisição dos módulos de controle do vapor, tratamento do caldo e evaporação. “Estamos em fase de implantação e devemos iniciar sua utilização no final do mês de agosto. Acreditamos que através dessa ferramenta conseguiremos melhorar nossa operação, possibilitando uma maior estabilidade do processo, e consequentemente uma maior eficiência industrial”, contou o gerente.

 

 

 

 

 

 

açúcar e etanolagrícolaCBIOcertificaçãoRenovaBioSilvio NIcolettiSustentabilidadeUsina São Manoel
Cometários (0)
Adicione Comentário