Usina São José da Estiva encerra safra com moagem recorde

Venda de bagaço para terceiros aumentou quase 60%

A Usina São José da Estiva encerrou a safra atual no dia 9 de novembro com moagem de 3.767 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, volume 7,6% maior do que os 3.5 milhões estimados pela empresa no início da temporada.

É também o melhor resultado da companhia em 56 safras, representando 15,6% maior do que o recorde anterior, registrado na safra 2016 2017.

De acordo com o gerente de Divisão Industrial, Marco Antonio Cardoso de Toledo, a safra 2020/21 é considerada “muito boa” e são vários os fatores que contribuíram para o resultado. “Tivemos uma cana de melhor qualidade e o desempenho da indústria foi importante”, avalia.

Toledo explica que a frustração ficou apenas pelo índice de aproveitamento industrial. A falta de chuvas, que ajudou no ritmo da safra, também impediu que a indústria aproveitasse os tempos de parada em dias chuvosos para a manutenção preventiva.

LEIA MAIS >  Volume de CBIOs atinge 15 milhões e supera meta do CNPE

Marco Antonio Cardoso de Toledo

“As paradas ficaram sob a responsabilidade da indústria”, apontou. Com isso, o índice chegou a 95,15%, abaixo dos 96,5% estimados no início do ano. “Há outros números que nos levam a considerar esta uma das nossas melhores safras, ainda que tenha sido um ano atípico, por termos a pandemia da Covid-19”, lembra.

A produção de açúcar, quase 255 mil toneladas, estabeleceu um novo recorde batendo em 27% o melhor resultado até então, registrado em 2010.

A energia exportada foi maior, 108.248 MWh, e a venda de bagaço para terceiros aumentou quase 60% quando comparada com a safra anterior. Além disso, o Unicop, índice usado pela Copersucar para medir a produção, também estabeleceu novo recorde chegando aos 10.605.674 pontos ante os 8.332.334 da safra anterior.

“Contamos com a união de todas as equipes e setores da Estiva, o que colaborou para a superação que vemos agora. O engajamento e o comprometimento fizeram a diferença”, comemorou o gerente.

LEIA MAIS > Brasil suspende concessões a importação da Costa Rica

Toledo comentou ainda que planejamento, cronograma e antecipação marcam o início da entressafra. O gerente conta que todas as etapas foram planejadas em detalhes. Setores e equipes têm cronogramas bem definidos com o que deve ser realizado para que a safra 21/22 comece.

A empresa também antecipou a compra de suprimentos e a contratação de fornecedores e prestadores de serviços para a manutenção. “A decisão se mostrou acertada diante da falta de alguns suprimentos, entre eles, os derivados do aço”, explicou.

Esta matéria faz parte da Edição 321 do JornalCana. Para conferir, clique AQUI.

AçúcarcopersucarenergiaentressafraetanolmoagemUsina São José da Estiva
Cometários (0)
Adicione Comentário