Usina Caeté implanta sistema de ponto com reconhecimento facial

Tecnologia foi iniciada com os colaboradores urbanos, na próxima etapa haverá a inclusão dos colaboradores do campo

Sempre na vanguarda do uso de tecnologias inovadoras, a Usina Caeté – Unidade Paulicéia, localizada no Oeste paulista, iniciou no mês de abril deste ano a implantação de reconhecimento facial para registro de ponto de seus colaboradores.

O sistema de ponto utilizando essa tecnologia foi iniciado com os colaboradores urbanos, principalmente para aqueles que registram o apontamento nas áreas de colheita de cana-de-açúcar.

Na próxima etapa haverá a inclusão dos colaboradores do campo.  Até o momento, um percentual de aproximadamente 40% do quadro funcional da Unidade Paulicéia já utiliza a tecnologia.

LEIA MAIS > A hora e a vez do Biogás e do Biometano

“Após a implantação do novo sistema de apontamento, evidenciamos inúmeros benefícios para a empresa! A inteligência artificial permite o sistema entender, inclusive, as mudanças físicas das pessoas”, afirmou o supervisor administrativo da Unidade Paulicéia, Adeildo Moraes.

Em maio, a implantação da nova tecnologia foi ampliada para a Usina Caeté, Matriz, em São Miguel dos Campos e a Unidade Marituba, situada em Igreja Nova, ambas em Alagoas.

A metodologia de implantação foi semelhante à utilizada na Unidade Paulicéia, contemplando, inicialmente, os colaboradores urbanos que trabalham na área externa das unidades industriais. Esse direcionamento é justificado pelas inúmeras dificuldades enfrentadas para o recebimento das informações em campo, e com o advento dessa tecnologia as informações chegam praticamente em tempo real.

De acordo com o supervisor Administrativo da Usina Caeté, José Carlos Lyra, a implantação do reconhecimento facial no apontamento já sinaliza melhorias significativas no processo.

“Constatamos um ganho expressivo no tempo de processamento das marcações de ponto e na diminuição de erros e inconsistências nas informações, tendo facilmente o número total de colaboradores em campo, podendo ser analisado diariamente o absenteísmo do seu pessoal, fatos que contribuem para a diminuição no tempo de fechamento de ponto para integração com a folha”, assinalou.

LEIA MAIS > Copersucar promove ação de saúde e segurança no dia do caminhoneiro

O supervisor Administrativo afirmou que a nova tecnologia permitirá ainda uma redução de custo. “Eliminaremos despesas com a aquisição e a manutenção dos relógios de ponto (REP), que chegam a custar mais de R$ 6 mil reais, enquanto os smartphones adequados para utilização do sistema representam um quarto desse valor. Além disso, podemos utilizar os smartphones para outros aplicativos necessários na coleta de informações de outras atividades de campo”, acrescentou.

Um dos aspectos importantes a ser enfocado com a adoção da nova tecnologia, diz respeito à adequação da Usina Caeté e suas Unidades Paulicéia e Marituba à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Para o gerente de Tecnologia da Informação, Ailton Chagas, o sistema está em conformidade com a LGPD, pois não são armazenadas fotos dos colaboradores na base de dados e sim, uma representação matemática das características faciais de cada pessoa”.

LEIA MAIS > Vendas de etanol tem retração de 5,08% na primeira quinzena de junho

O gerente de TI frisou ainda que a novidade garante mais segurança, confiabilidade e flexibilidade no apontamento dos horários dos colaboradores. “Sobretudo, dos pontos coletados no campo!”.

“A Usina Caeté tem buscado nas inovações tecnológicas o aprimoramento de suas rotinas visando, sobretudo, segurança, controle e governança”, finalizou Paulo Couto, diretor Administrativo da companhia.

 

Inteligência artificialreconhecimento facialtecnologiaUsina Caeté