São Martinho reduz em 7,5% as emissões de GEE

Companhia divulgou relatório de sustentabilidade

A São Martinho alcançou uma redução de 7,5% em suas emissões de gases de efeito estufa (escopo 1) na última temporada. A diminuição nas emissões de GEE alcançadas nas quatro unidades do grupo se deve principalmente a redução do consumo de diesel; diminuição da adubação mineral nitrogenada, como resultado da substituição por adubação verde e a redução da utilização de calcário, pela menor necessidade de tratamento de correção do solo.

As informações constam no seu Relatório Anual e de Sustentabilidade da Safra 2019/2020 divulgado nesta quinta-feira (7)

“Em 2019, emitimos 0,5 milhão de toneladas de CO2 (escopo 1) e evitamos a emissão de 2,3 milhões de toneladas de CO2, através da utilização de etanol e bioeletricidade”, informa a companhia.

De acordo com relatório, a preocupação da empresa com a emissão de gases de efeito estufa é estendida à frota corporativa, na qual utilizam apenas etanol; à utilização de máquinas de alta performance e ao rendimento energético, que, somados à adoção da agricultura de precisão, reduzem o uso de combustíveis.

A São Martinho conta com um laboratório de controle de lubrificantes, que fornece dados para o controle da frota agrícola, com o objetivo de otimizar o consumo de diesel, contribuindo para a redução de GEE e para a segurança veicular para os colaboradores.

Gestão eficiente de resíduos sólidos

Com Centrais de Resíduos, para realização de coleta seletiva, e com um Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS), que utiliza os conceitos dos 3Rs, o grupo consegue sistematizar a gestão de resíduos sólidos provenientes das atividades agroindustriais, prevenindo impactos nocivos ao meio ambiente e garantindo a destinação adequadas dos resíduos.

Assim, a empresa reaproveita cerca de 99% dos resíduos gerados nos processos agroindustriais. Como o bagaço da cana para a produção de energia elétrica limpa, tornando a empresa autossuficientes em energia para operar suas indústrias e o excedente é vendido no mercado, que hoje atinge quase 1 TWh.

A torta de filtro, gerada na clarificação do caldo de cana, após tratamento e complementação com nutrientes, resulta em um adubo orgânico utilizado no plantio e nas socas, substituindo o uso de fertilizantes minerais.

LEIA MAIS > Grupo francês coloca em funcionamento sua 4ª usina no Brasil

Já a vinhaça é integralmente aproveitada nas lavouras por meio de fertirrigação, técnica de adubação utilizada para nutrir o solo. A vinhaça é armazenada em reservatórios cobertos por polietilenos de alta densidade, prevenindo a contaminação do solo.

“Ao longo dos últimos anos, temos investido na ampliação da aplicação de vinhaça localizada, técnica que permite reduzir o custo médio com adubação mineral e traz a possibilidade de ganho de produtividade. Na safra 2019/2020, reduzimos em 11% o uso de potássio devido à aplicação da vinhaça”, informa.

O relatório traz ainda dados sobre o uso consciente dos recursos hídricos. Na safra 2019/2020, o índice de reuso foi de 72%. Para a captação de água, o grupo utiliza diferentes fontes hídricas, sendo para a Usina Iracema, os córregos Paramirim e Iracema. Para a Usina São Martinho, o Rio Mogi Guaçu, o Córrego Triste e Aquífero Guarani (cinco poços). Para a Usina Boa Vista, o Rio Preto e Aquífero Guarani (um poço). E para a Usina Santa Cruz os córregos Paulino, João Mendes e Anhumas e Aquífero Guarani (dois poços).

A captação de água apresenta valor abaixo de 1m³ por tonelada de cana processada em todas as usinas, com exceção apenas da Usina São Martinho, em decorrência das características da planta industrial. “A fim de reduzir a captação nessa unidade, estamos realizando estudos para atualização tecnológica do processo de resfriamento de águas, o que irá otimizar a operação e, consequentemente, reduzir a necessidade de captação ao longo dos próximos anos”, explica a São Martinho.

De acordo ainda com a empresa, em 2020, foi realizado uma avaliação de risco hídrico de todas as unidades, com uso da ferramenta Aqueduct (Water Risk Atlas of the Word Resources Institute – WRI).

LEIA MAIS > Usina São Francisco encerra 2020 sem nenhum acidente com afastamento

Com o resultado da análise dos riscos associados à escassez hídrica próxima às operações, assim como o fornecimento de informações para a gestão estratégica de recursos hídricos, foram criadas iniciativas de reuso de água, como o uso de água proveniente da concentração da vinhaça e o aproveitamento de água condensada, com o objetivo de reduzir a “pegada hídrica” do processo produtivo.

“O ano de 2020 marca o início de um novo ciclo para nós. Em março deste ano, definimos o nosso Plano Estratégico para os próximos dez anos, de 2020 a 2030. De forma sustentável, queremos continuar expandindo nossas operações, apostando ainda mais no uso de fontes renováveis”, conclui Fábio Venturelli, presidente da São Martinho.

 

 

Emissões de Geeenergia elétricaGEESão MartinhoSustentabilidade
Cometários (0)
Adicione Comentário