Ricardo Mussa diz que reajuste de combustíveis deve evitar a escassez

Para o CEO da Raízen a medida pode evitar o desabastecimento, mas os preços podem aumentar ainda mais
Ricardo Mussa, CEO da Raízen

A Petrobras elevou os preços da gasolina em 18,8% na semana passada e os preços do diesel em 24,9%, apesar da pressão política para contê-los. Na segunda-feira, dia 14, no intervalo de um evento do setor de açúcar nos Emirados Árabes Unidos, Ricardo Mussa, CEO da Raízen, disse que o aumento dos preços dos combustíveis pela Estatal foi necessário para evitar a escassez, e disse que eles podem aumentar ainda mais.

O etanol hidratado compete com a gasolina para abastecer a grande frota de carros flex do país. O país não é autossuficiente em derivados de petróleo. Sem preços competitivos, importadores privados têm dificuldades de importar derivados de petróleo para ajudar o país a garantir o abastecimento.

Ele acrescentou que parecia haver espaço para um novo aumento nos preços dos combustíveis no Brasil com base na volatilidade dos mercados internacionais.

LEIA MAIS > Usina Carolo promove encontro com fornecedores e parceiros de cana-de-açúcar

A invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro levou a um aumento nos preços globais do petróleo. Eles atingiram seu nível mais alto desde julho de 2008 há uma semana, mas recuaram nos últimos dias.

Mussa disse que o Brasil tradicionalmente fornece um colchão de oferta para o mercado de açúcar em tempos de escassez, mas a forte demanda por etanol limitaria a capacidade de o país fazê-lo no futuro.

Os preços globais do açúcar aumentaram mais de 20% em 2021, registrando um quarto aumento anual consecutivo, e continuaram subindo até agora este ano.

 

combustíveisetanolgasolinaPetrobrasraizen