Raízen e Shell fornecerão etanol 2G para Ferrari na temporada 2022 de F1

A partir do ano que vem, será adotada a mistura E10 (10% Etanol) nos carros da categoria

A partir da temporada 2022 da Fórmula-1, a Ferrari, uma das maiores escuderias do principal campeonato de automobilismo do mundo, vai utilizar em seus carros o etanol de 2ª geração e de alta performance da Raízen.

Conforme divulgado no domingo (14), durante a transmissão do Grande Prêmio São Paulo de Fórmula 1, a companhia sucroenergética e a Shell firmaram acordo com a montadora italiana para o fornecimento do biocombustível.

LEIA MAIS > Raízen e Bonsucro celebram 10 anos da primeira certificação

A iniciativa atende às diretrizes da F1 que adotará, a partir do ano que vem, a mistura E10 (10% Etanol) nos carros da categoria com o objetivo de reduzir as emissões de CO2. A mistura E10 é o primeiro passo da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), que pretende que o campeonato tenha combustíveis totalmente sustentáveis até 2025.

A Raízen é uma das poucas companhias do mundo que já fornece o E2G em escala, vem afirmando que o biocombustível, produzido a partir da palha e bagaço da cana, é prioridade para a companhia, que deverá investir mais para expandir sua produção, inclusive com uma nova planta. O objetivo é aumentar a capacidade anual de produção de etanol celulósico da companhia dos atuais 40 milhões para aproximadamente 120 milhões de litros, em 2023.

LEIA MAIS > Raízen deverá anunciar nova planta de E2G até o final do ano

“É apenas o começo, lembre-se que temos 4 bilhões de litros de produção de etanol de primeira geração e podemos chegar a até 2 bilhões de litros de combustível avançado de segunda geração, sem plantar um acre adicional, tudo pode ser feito na mesma área, é incrível em termos ambientais”, afirmou o CEO da Raízen, em entrevista à Reuters.

Mussa ressaltou ainda que os investimentos para cada nova unidade de produção de E2G, com capacidade para 85 milhões de litros, são da ordem de 800 milhões a 1 bilhão de reais. “Temos potencial de ir até 20 a 25 unidades de etanol de segunda geração, dependendo da quantidade de biomassa“, afirmou o executivo.

 

automobilismobiocombustívelbiomassaE2Getanoletanol celulósicoFórmula 1Pireliraizenshell