Período chuvoso deve aumentar a proliferação de pragas nos canaviais

Pragas encontrarão plantas menores e mais suscetíveis aos ataques

As geadas e os incêndios dos últimos meses terão grande impacto nos danos causados pelas pragas aos canaviais. Mesmo que o fogo e o frio tenham diminuído, a população de alguns insetos importantes para a cultura da cana tende a se recuperar rapidamente no período chuvoso.

“No campo, eles encontrarão uma cana menor e mais suscetível aos ataques de broca, cigarrinha-da-raiz e Sphenophorus levis. O ataque intenso dessas pragas pode reduzir significativamente a produtividade das plantas”, explica a pesquisadora do Instituto Agronômico (IAC), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Leila Dinardo-Miranda, em artigo publicado no informativo do Programa Cana do Instituto Agronômico (IAC).

A pesquisadora orienta para que os produtores e usineiros fiquem atentos à população de pragas nos canaviais. “Quando o nível populacional for atingido, os canavicultores devem rapidamente entrar com medidas para o controle”, afirma.

LEIA MAIS > O cumprimento da LGPD é uma das prioridades das organizações em 2022
Leila Dinardo-Miranda

Segundo Leila, a maior fragilidade da cana se deve, principalmente, pelo seu pequeno porte, devido à falta de crescimento em decorrência do período de seca e das geadas. Ela recorda que as geadas ocorreram quando os canaviais estavam crescendo, em começo de safra e muitos deles tiveram que ser roçados para iniciar o crescimento novamente.

“A cana menor é muito mais suscetível aos ataques de pragas. Podemos pensar em crianças. Algumas doenças, como a gripe, podem causar mais danos nelas do que em adultos. É o mesmo com a cana. As plantas menores tendem a sofrer mais”, explica a pesquisadora do Programa Cana IAC.

Leila afirma ainda que, pragas como broca, cigarrinha-da-raiz e Sphenophorus levis foram pouco afetadas pelos incêndios, devido à fase de vida que esses insetos estavam quando o fogo atingiu as plantações.

LEIA MAIS > “Transição energética será um processo flexível e diversificado”

“A broca e o Sphenophorus levis foram mais afetados pela seca e pelos incêndios: a seca matou muitos ovos da broca pela desidratação, enquanto o fogo pode ter matado os adultos de Sphenophorus. No entanto, larvas e pupas desse inseto estavam protegidos no interior dos rizomas.  Com as chuvas que estamos vendo agora, teremos um rápido repovoamento desses insetos. Os nematoides, que atacam as raízes das plantas, também sofreram pouco na época das intercorrências climáticas, pois estavam em época de baixa população”, afirma.

A cigarrinha é um outro problema que o produtor deve enfrentar com intensidade agora, já que a praga é encontrada em praticamente todas as regiões canavieiras do Brasil. Entre os prejuízos causados por ela, estão a redução do teor de açúcar e aumento do teor de fibras e de colmos mortos. Além disso, as ninfas extraem grandes quantidades de água e nutrientes das raízes, impactando negativamente no desenvolvimento.

canaviaispragas