Para diretor da BP Bunge alta nos preços acirra disputa no mix de produção das usinas

Bom consumo dos estoques de açúcar nos últimos dois anos favorece as cotações, diz

Com o início da nova safra, o diretor Comercial da BP Bunge Bioenergia, Ricardo Carvalho, fez um breve panorama do setor para esse próximo ciclo, destacando que a alta dos preços, proporcionará uma disputa do mix brasileiro entre açúcar e etanol.

“O que a gente está olhando para este ano: um açúcar com preço muito forte o etanol também com preço muito forte disputando o mix brasileiro. O mundo consumiu boa parte dos estoques das sobras de açúcar nesses últimos dois anos, e isso é bom para o preço. E o etanol participa desse ambiente de combustíveis mais caros. Então vão disputar mix. A gente tem que ficar atento sobre qual é o melhor mix, para qual usina, e para qual época do ano”, avalia Ricardo.

LEIA MAIS > Biometano pode garantir a segurança energética do país

Com relação à energia, ele prevê uma recuperação do preço no decorrer da safra. “A energia elétrica, que normalmente é um mercado muito volátil, vem de teto ano passado, para piso neste ano, e deve se recuperar ao longo da safra”.

Para ele, diante da sequência de crises no panorama mundial e nacional, com covid, seca, guerra, inflação e ano de eleições, o setor bioenergético desponta como solução para diversas questões. “A gente entrega um alimento básico para o mundo se alimentar, um combustível limpo para as pessoas do Brasil e do mundo se moverem e uma bioeletricidade renovável para iluminar a vida, o trabalho e serviços que as pessoas utilizam”.

 

AçúcarBP Bungeenergiaetanol