Novo ciclo de investimentos para o setor bioenergético

Confira todo o conteúdo do JornalCana de janeiro

Ano novo com muitas oportunidades e também muitos desafios para o setor bioenergético, que deve demonstrar mais uma vez seu poder de fogo, prevendo uma boa temporada pela frente. Isso pode ser confirmado pelos investimentos feitos e já divulgados em projetos que buscam fontes energéticas limpas, inovadoras e, ao mesmo tempo, viáveis financeiramente.

Esse novo ciclo vigoroso e sustentável de investimentos representará um período de muita inovação com chances reais de gerar bons frutos. É o caso da Cocal, que lançará no segundo semestre projeto pioneiro no mundo de energia limpa e da Usina Lins, que investiu na implantação de uma unidade para fabricação de leveduras.

Como também da GranBio que obteve US$ 730.000 de Fundação dos EUA para desenvolver tecnologia de Nanocelulose e dos aportes feitos por outras companhias como a CerradinhoBio que terá a sua segunda planta de etanol de milho.

Esses e muitos outros assuntos abordando investimentos feitos pelas empresas ganham destaque nesta primeira edição do ano. O leitor encontra também informações sobre as inovações tecnológicas que prometem tornar os veículos elétricos mais acessíveis.

LEIA MAIS > O cumprimento da LGPD é uma das prioridades das organizações em 2022

Para falar de uma dessas inovações, entrevistamos o engenheiro de materiais, Fabio Coutinho Antunes, que discorre sobre o desenvolvimento de células cerâmicas que irão gerar energia elétrica usando etanol e hidrogênio. Por sua vez, essa energia será empregada em motores híbridos.

Além disso, o JornalCana traz um panorama sobre as principais negociações feitas no mercado, como a compra da planta da Usina Orbi Bioenergia pelo Grupo Pedra Agroindustrial. Localizada em Paranaíba – MS, a usina que agora passou a ser denominada Cedro, é a primeira unidade produtora do grupo fora do estado de São Paulo.

Também ganha destaque, o Grupo Moreno, que ao antecipar o pagamento a credores, conseguiu reverter o status de empresa em recuperação judicial, situação que enfrentava desde 2019.  O plano de recuperação da empresa previa o pagamento de 1 bilhão de reais aos credores no prazo de até 3 anos. De acordo com a companhia, o bom resultado da safra 2021/22 e o sucesso no financiamento conseguido junto a investidores possibilitaram a antecipação desse pagamento aos credores.

LEIA MAIS > DVPA amplia investimentos rumo a marca de 2 milhões de toneladas de moagem

A matéria de capa destaca a evolução constante da Destilaria Vale do Paracatu Agroenergia – DVPA. A companhia, localizada na região noroeste de Minas Gerais, está investindo R$ 100 milhões em um plano de expansão visando conquistar produção de 2 milhões de toneladas de cana-de-açúcar.

“A gente já é 4.0 na agrícola. Agora vamos ser também na indústria com a aquisição da plataforma S-PAA, que vai nos ajudar bastante na gestão de ajuste fino e no timing de resposta. Aqui é assim eu apresento o projeto de manhã e se for bom a tarde a gente já está fazendo”, afirma o diretor executivo da usina, Tomas Payne

Na área agrícola, o leitor encontra informações sobre a performance da colhedora CH950, da John Deere, que assegura maior produtividade no canavial. Sobre novas variedades de cana desenvolvidas pela Embrapa, tecnologias e novidades na área de certificações, como a nova norma de produção Bonsucro, que valerá a partir de setembro deste ano.

LEIA MAIS > Safra 2022/23 deverá ter moagem 7,2% maior que a atual no Centro-Sul

Nesta edição ainda, os homenageados no Prêmio MasterCana Brasil 2021 que receberam o troféu após o evento também ganham destaque.

É muito conteúdo interessante.

Boa leitura!

Para ler o jornal completo, clique AQUI!

 

 

cana-de-açúcarinovações tecnológicasPrêmio MasterCana Brasilsetor bioenergético