Mato Grosso do Sul terá a sua primeira indústria de etanol de milho

Unidade produzirá até 200 mil litros do biocombustível por dia

A nova fábrica deverá entrar em operação em 2022

O Governo do Mato Grosso do Sul anuncio a instalação da primeira indústria de etanol de milho no Estado. O empreendimento, que receberá investimento de R$ 49 milhões, será construído no Polo Industrial e Empresarial de Jaraguari.

De acordo com a Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), a nova planta deve gerar 150 empregos diretos e iniciar as operações com produção de até 200 mil litros de etanol de milho por dia, em meados de 2022.

Além do combustível, a unidade deve também fabricar óleo de milho, ração animal e ter produção própria de energia renovável, a partir do biogás e placas fotovoltaicas para energia solar.

LEIA MAIS > Potencial da produção de etanol de milho é de 2,5 bilhões litros na safra 2020/21

A carta-consulta com solicitação de incentivo fiscal para instalação do empreendimento foi apresentada pela empresa Destilaria Pioneira Indústria de Etanol de Milho, Fábrica de Ração e Transportes Ltda para a Semagro.

Verruck: empreendimento é importante investimento em um novo segmento no Estado

Titular da pasta, o secretário Jaime Verruck destaca que o empreendimento é importante por representar investimento em um novo segmento no Estado, e por agregar valor a uma matéria-prima importante para a economia estadual, que é o milho.

O investimento em Jaraguari também é fruto de ação do Governo do Estado, que está viabilizando a construção do Polo Industrial e Empresarial municipal.

“Adquirimos uma área de quase 100 hectares para atrair empresas para o município e assim gerar emprego e desenvolvimento para a região. Essa é a lógica de desenvolvimento do Governo do Estado para todos os municípios e esse empreendimento é a consolidação desse trabalho”, lembrou o secretário.

 

 

 

Energia RenovávelEtanol de milhoJaime VerruckSemagro
Cometários (1)
Adicione Comentário
  • Sergio A. Yoshioka

    Muito interessante a resportagem, mas está sendo desenvolvido um processo de extração que pode render mais um produto do resíduo do grão de milho muito mais valioso quanto o Etanol, DDG e o óleo juntos.