Fungo-verde contribui para controle da cigarrinha da cana

Praga é inimiga da produtividade e causa muitos prejuízos no canavial

A partir deste mês, a Associação dos Fornecedores de Cana do Estado (AFCP), através do Departamento Técnico, inicia a distribuição gratuita do “fungo-verde” Metarhizium anizopliae para todos os produtores sócios que estiverem enfrentando problemas com a cigarrinha nos canaviais.

O fungo é produzido diariamente pelo laboratório específico do órgão para o controle biológico da praga, tendo inclusive um estoque suficiente para começar sua distribuição, e já pode ser solicitado em sua sede no Recife – PE.

A quantidade do fungo entregue ao associado é proporcional à área informada de infestação da cigarrinha. O vice-presidente e diretor do Dep. Técnico da AFCP, Paulo Giovanni Tapety explica que existem técnicos à disposição para levantamento populacional e recomendações para sua aplicação.

O pedido do sócio entra na programação de distribuição e o produtor levará o fungo no dia programado. É preciso levar um recipiente para manutenção térmica (ex. isopor com gelo) com capacidade de armazenar e acondicionar o produto até a propriedade.

LEIA MAIS >ANP aprova especificações do diesel verde

Segundo o agrônomo da Cooperativa dos Fornecedores de Cana (Coaf), Geraldo Barros, baseado em informações da Embrapa, deve ser garantida a dose mínima de 200 gramas por hectare de esporos do fungo. Conforme aponta, a aplicação atinge as ninfas e adultos da cigarrinha da folha, que deve ser feita com o uso de 250 litros de água por hectare. O laboratório da AFCP faz a inoculação de 100 kg diários e após 15 dias de germinação já está pronto para atender a necessidade dos associados.

Desse modo, segundo alerta Tapety, é importante fazer a observação nos canaviais, principalmente nas áreas mais úmidas. Nestas áreas de várzeas é onde ocorre as maiores incidências da cigarrinha. “Não deixe de usar adesivo na calda neste período chuvoso, para uma melhor fixação dos esporos. Lembrar também que após a lavagem do arroz para retirada do fungo é importante fazer a distribuição deste meio de cultura, jogado a lanço dentro do canavial”, explica o vice-presidente.

LEIA MAIS >UNICA alerta sobre os riscos da vilanização do açúcar

Outras condições indispensáveis para o sucesso no aproveitamento da aplicação do fungo, conforme acrescenta Barros com base nos dados da Agência Embrapa de Informação Tecnológica (Ageitec), é a umidade elevada seguida de veranico e a temperatura de 25°C a 27°C. Além disso, que a aplicação ocorra à tarde ou à noite.

“Após um longo período de seca, as chuvas voltaram e observo o surgimento da cigarrinha na área canavieira de Pernambuco. Portanto, o associado deve começar o combate biológico o mais breve, o mesmo não terá custo para adquirir o produto que é recomendado para controle da praga sem agredir o meio ambiente”, diz Ricardo Moura, agrônomo do Departamento Técnico da AFCP.

Características da Cigarrinha da folha

A cigarrinha das folhas recebe este nome por que as ninfas se alimentam na região da bainha e os adultos se alimentam das folhas. Com coloração marrom-avermelhada, o inseto macho apresenta duas manchas vermelhas na ponta das asas. Já a fêmea é mais escura e põe ovos nos tecidos da planta. As ninfas, por sua vez, ficam envoltas por uma espuma branca, como a da cigarrinha-da-raiz, mas ficam alojadas na bainha das folhas.

Ao succionarem a seiva da planta, injetam toxinas e as folhas começam a ficar amareladas, secam os perfilhos e os colmos definham provocando a perda de peso e de açúcar. De acordo com a pesquisadora do IAC, Leila Luci Dinardo-Miranda, a praga causa uma redução acentuada de colmos e na produtividade de açúcar. “Em consequência do ataque das cigarrinhas, a planta tem mais dificuldade em fazer fotossíntese e pode ter uma grande mortalidade de colmos, ou então, eles ficam menores e mais finos”, afirmou. A praga pode causar queda de 10% a 20% da produtividade do canavial.

 

 

AFCPcanaviaisCigarrinhapragassetor sucroenergético
Cometários (0)
Adicione Comentário