Etanol para o Brasil, para o Mundo

O Brasil desenvolveu a melhor alternativa sustentável do mundo para substituir os combustíveis fósseis - o Etanol.

Mesmo seu potencial energético sendo conhecido desde 1900, somente com a 1ª crise do petróleo se pensou em utilizar o Álcool para enfrentar a escassez de combustível.

Uma solução perfeita, pois beneficiaria a balança comercial brasileira e contribuiria para a saúde da população. Só tínhamos a ganhar com o Proálcool. Porém, sua trajetória não foi fácil.

O petróleo despencou em 1987 e o Brasil quase abandonou o programa, depois de ter investido R$ 7 bilhões. Uma descrença geral sobreveio com a primeira crise de abastecimento, porém uma intensa mobilização política manteve as esperanças do setor.

O Álcool ressurge com os debates sobre o aquecimento global. Com a tecnologia flex-fuel, o biocombustível foi novamente adotado pelo brasileiro e, de lá para cá, a produção aumentou para 36 bilhões de litros/ano, o Setor gerou 800 mil empregos diretos e uma receita que representa 2% do PIB.

“O Etanol é, portanto, uma realização tecnológica, ambiental, econômica, social e política dos brasileiros e não podemos abrir mão dessa conquista”.

LEIA MAIS > Embrapa desenvolve primeira cana editada não-transgênica do mundo

Há, entretanto, ameaças. O Governo discute a possibilidade de zerar o imposto de importação para enfrentar um desabastecimento. Entretanto, para o Ministério da Agricultura, os estoques são suficientes para atravessar a entressafra. Estamos diante de uma medida com elevado potencial de provocar desequilíbrio na produção nacional.

A redução na mistura também é analisada como forma de diminuir o valor da gasolina; a medida, porém, é inócua – reduzindo de 27% para 18%, o preço cairia apenas 0,6% na bomba. Um retrocesso, pois o processo de descarbonização reduz as internações hospitalares e a taxa de mortalidade.

Esse processo, eficientemente implementado pela Política Nacional dos Biocombustíveis, está ameaçado se continuarmos a reduzir as metas do RenovaBio – um programa que firma nosso compromisso com o respeito às regras ambientais, como o CAR, o PRA, o Zoneamento Agroecológico da Cana e o Desmatamento Ilegal Zero. O RenovaBio criou ainda uma bem sucedida moeda verde, os Créditos de Descarbonização (CBIO’s), que incorpora a sustentabilidade no processo produtivo.

Estamos alerta na defesa desse “Patrimônio Nacional”. Na era da bioenergia, a indústria do Etanol está fornecendo eletricidade necessária para superarmos a crise hídrica e podemos fazer ainda mais com o aproveitamento energético do Biogás e do Biometano.

LEIA MAIS > Atvos realiza 3 mil horas de treinamento de compliance com colaboradores

A recente luta pela ampliação da tolerância de peso dos caminhões de cana mostra o quão resiliente é o setor, que, há mais de 40 anos, vem superando desafio após desafios para se tornar um orgulho para o povo brasileiro. Na esteira desse sucesso, outros países, como a Índia, caminham na mesma direção e o Etanol avança como commodity mundial.

“A biomassa é nossa e o Brasil, vanguarda da Economia Verde”.

Deputado Arnaldo Jardim

Presidente da Frente Parlamentar em defesa do Setor Sucroenergético.

Esta matéria faz parte da edição de dezembro do JornalCana. Para ler, clique AQUI!

 

 

 

 

biocombustíveletanol