Dona de usina de etanol 2G compra ativos de empresa dos EUA

A GranBio, controladora de usina de etanol celulósico no Brasil e sócia (em 50%) da SGBio, ao lado do Grupo Solvay, da Rhodia, acaba de anunciar a compra de ativos da empresa americana de biotecnologia Cobalt.

Segundo a assessoria de imprensa da GranBio, os valores da transação não são divulgados por questões estratégicas.

A Cobalt é considerada líder no desenvolvimento de tecnologia para a produção de n-butanol, acetona, etanol e buteno, a partir de biomassa. A operação compreende o banco de micro-organismos e ativos de propriedade intelectual como patentes, marcas, processos e métodos.

Conforme a assessoria da fabricante de etanol celulósico, com a aquisição, a SGBio impulsiona o conhecimento proprietário, tendo acesso a um pacote completo de tecnologias de desempenho superior na produção de bioquímicos.

A robustez e a flexibilidade dos micro-organismos já foram comprovadas em escala, demonstrando alta produtividade, o que reduz consideravelmente o risco no escalonamento do projeto.

N-butanol

‘’A aquisição dessa tecnologia permite um avanço consistente e importante para o estabelecimento de uma atividade industrial de produção de n-butanol e acetona a partir de biomassa vegetal, um dos objetivos estratégicos da companhia’’, afirma Márcia Cunha, CEO da SGBio, em comunicado para a imprensa.

Esta estratégia contempla ainda a melhoria das cepas adquiridas, um trabalho que será realizado pela equipe de P&D da empresa. O objetivo é criar uma plataforma que permita a incorporação de uma grande variedade de fontes de biomassas, assim como o desenvolvimento de outros produtos.

“A SGBio reforça significativamente seu posicionamento para entrada nos mercados de biobutanol e bioacetona, com um salto de conhecimento essencial para os planos de expansão da empresa no setor de bioquímicos a partir de biomassa”, enfatiza José Matias, CEO da Solvay Coatis, também em comunicado à imprensa.

“Com essa operação, reforçamos o compromisso com o desenvolvimento da indústria de biotecnologia, trazendo para o Brasil um conhecimento que está na fronteira da ciência e que viabilizará uma rota verde para uma das principais matérias-primas da indústria química”, ressalta Bernardo Gradin, CEO da Granbio, em comunicado.

Leia mais: GranBio produz 50% da capacidade da usina de etanol 2G

Confira os planos da Novozymes sobre etanol 2G

 CTC inaugura laboratório de cana transgênica

Fábrica da GranBio: aposta em novos produtos da biomassa

Quem é quem

Sobre a SGBio

A SGBio é uma joint venture  formada entre as empresas GranBio e Rhodia, empresa do Grupo Solvay, onde cada um detém 50% de participação. A companhia foi constituída em outubro de 2014 com o foco na produção e comercialização de bio n-butanol, composto químico utilizado em particular na fabricação de tintas e solventes. O processo industrial será o de segunda geração, onde se usa palha e bagaço de cana-de-açúcar para produzir os açúcares celulósicos que são convertidos no produto final.

Sobre a Cobalt Technologies

A Cobalt Technologies é a empresa líder na produção de bio n-butanol, um produto químico industrial amplamente utilizado em tintas, vernizes e outros revestimentos de superfície. A tecnologia da Cobalt oferece um processo contínuo para converter eficientemente diversas matérias-primas não alimentares em biobutanol.

Sobre a Solvay

Como um grupo químico internacional, a Solvay auxilia a indústria na busca e implementação de soluções cada vez mais responsáveis e de criação de valor. Gera 90% do seu volume de negócios em atividades onde ele está entre os três principais grupos globais. Seus produtos são utilizados em diversos mercados, tais como energia e meio ambiente, automotivo e aeroespacial, elétricos e eletrônicos, com objetivo de melhorar o desempenho dos clientes e a qualidade de vida dos consumidores. O grupo, com sede em Bruxelas, emprega cerca de 26000 pessoas em 52 países e obteve um faturamento de € 10,2 bilhões em 2014.

Sobre a GranBio                                   

A GranBio é uma empresa brasileira de biotecnologia industrial, que cria soluções para transformar biomassa em produtos renováveis. Pioneira na produção de etanol celulósico, ou de segunda geração (2G), no Hemisfério Sul, a companhia é a única do setor que atua do começo ao fim da cadeia produtiva – da matéria-prima à distribuição do produto final -, integrando tecnologias próprias e de parceiros. Fundada em 2011 pelo empresário Bernardo Gradin, é controlada pela GranInvestimentos S.A.

 

acetonabiotecnologiaetanol celulósicoGranBion-butanolRhodiasetor sucroenergéticoSolvay