Condições climáticas devem elevar safra 2022/23 de cana na região Centro-Sul

Estimativa do Sistema TEMPOCAMPO, da Esalq/USP, prevê uma safra de até 578 milhões de toneladas

O Sistema TEMPOCAMPO, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP), estima uma recuperação da produção de cana-de-açúcar no Centro-Sul brasileiro, em relação à safra 21/22, com valores variando de 530 a 578 milhões de toneladas, superando a safra passada que ficou na casa dos 520 milhões, segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica).

Essa projeção de aumento na produtividade em relação à safra anterior tem como base uma melhora climática. Segundo o coordenador do Sistema, Fábio Marin, em novembro, as chuvas oscilaram em torno da média e em dezembro tiveram bons volumes em Minas Gerais e no Norte de São Paulo.

LEIA MAIS > Norte e Nordeste já processaram 40,81 milhões de toneladas de cana

“O clima é de recuperação em relação ao ano anterior. Mas não é uma safra excepcional. Segundo Marin, o coeficiente de produtividade deve aumentar entre 10% e 15%, mas isso ocorre porque a produtividade da safra anterior foi muito baixa. “Mesmo no cenário negativo, parte de São Paulo, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais apontam uma recuperação”, ressaltou.

La Niña até maio

Fábio Marin

O fenômeno La Niña deve trazer chuvas abaixo da média para o Sul do Brasil, mas até o momento as lavouras de cana não foram tão impactadas como as de soja. A situação mais crítica, como frisou Marin, ocorre em praticamente todo o Paraná, centro e oeste de Santa Catarina e oeste e Norte do Rio Grande do Sul.

“A gente tem acompanhado o caso da Bahia, do Tocantins, com chuvas recordes, mais de 500mm em um mês, muitos danos para as famílias que estão desabrigadas. Isso pode ser colocado na conta do La Niña, que é o resfriamento das águas do Oceano Pacífico na zona Equatorial, que influi no regime de chuvas no Brasil”, explicou Marin.

LEIA MAIS > Uso de biocombustíveis em 2021 evitou mais de 24 milhões de toneladas de gases de efeito estufa

Segundo ele, o fenômeno deve permanecer pelo menos entre abril e maio no país, com chuvas acima da média no norte, abaixo no sul e uma transição em São Paulo e Mato Grosso do Sul.

cana-de-açúcarLa NiñaSistema TempoCampo