Com novo adiamento, votação do projeto da venda direta de etanol fica para dia 20

Comissão de Minas e Energia da Câmara promove terceiro adiamento
Integrantes da Comissão de Energia da Câmara discutem a proposta de venda direta de etanol (Foto: Divulgação/Câmara)

Prevista para esta quarta-feira (6/11), a votação do Projeto de Decreto Legislativo (PDC 978/18), que acaba com a exclusividade da venda de etanol por distribuidoras, foi novamente adiada.

O pleito, em tramitação Comissão de Minas e Energia da Câmara Federal, fica para o próximo dia 20.

A proposta de venda do etanol por usinas ganharia prorrogação maior até ser apreciada.

Havia proposta, derrubada, para que o projeto só fosse votado após 10 sessões.

 

Leia também: 

Saiba quais são os impactos da cana crua na fabricação de açúcar branco

“Enquanto isso ocorre, ficam prejudicados os consumidores, visto que o etanol continua mais caro para o usuário diante da soma dos custos logísticos do transporte do etanol das usinas para os centros das distribuidoras e depois para o posto de combustível, além da margem de lucro dos distribuidores”, critica Alexandre Andrade Lima, presidente da Federação dos Plantadores de Cana do Brasil (Feplana).

Perda para a cadeira produtiva

Segundo o presidente da Feplana, perde ainda toda cadeira produtiva do etanol, impedida de vender o seu combustível.

Lima garante que o fim da exclusividade da venda de etanol pelas distribuidoras conta com o apoio da maioria dos deputados desse colegiado na Câmara.

“Temendo a aprovação do voto em separado do deputado Elias Vaz em favor da venda direta, os opositores tentaram aprovar pedido para retardar a votação por 10 sessões”, afirma.

“Perderam por 17 x 12”, emenda.

Ainda assim, a votação ficou para o dia 20.

A previsão é de que antes da votação seja realizada uma reunião sobre o tema com o Ministério da Economia e a Agência Nacional do Petróleo (ANP).

A Feplana, por sua vez, estranhou a posição do governo durante a votação dessa quarta-feira (06) na comissão de Minas e Energia.

Essa posição orientava os parlamentares contra votação da matéria, segundo a assessoria da Feplana.

“É uma posição contrária a posta por Bolsonaro, há alguns meses, em defesa da venda direta do etanol”,relembra o presidente da entidade.”

“Ano passado, ainda quando era deputado, ele votou inclusive favorável pela votação em plenário deste PDC 978, não sendo aprovado na ocasião”, relembra.

Alexandre Andrade LimaCâmaraetanolfeplanaVenda direta
Cometários (0)
Adicione Comentário