Carta ao leitor: Fertilizantes apontam um cenário desafiador para o setor bioenergético

Confira todo o conteúdo do JornalCana de Maio de 2022

A guerra na Ucrânia impactou o agronegócio brasileiro, que enfrenta custos mais elevados, principalmente devido à alta do custo dos fertilizantes, tão necessários às nossas lavouras.

Atualmente, o Brasil é o 4° maior consumidor global do produto, ficando atrás apenas da China, da Índia e dos Estados Unidos. Do total consumido no mundo, nosso país tem uma participação de 8% na demanda por fertilizantes, sendo que cerca de 80% dos fertilizantes utilizados no Brasil são de origem estrangeira.

A alta dependência das importações do produto tem sido motivo de preocupação. “O planejamento se torna ainda mais importante para que os produtores possam encontrar as melhores soluções para suas culturas. Ao mesmo tempo, o momento abre novas possibilidades e olhares para o setor de fertilizantes brasileiro e para os formatos atuais, que tendem a sofrer uma transformação nos próximos meses”, afirma Bruno Fonseca, analista Sênior de Pesquisa e Análise Setorial para o mercado de insumos do Rabobank Brasil.

Diante desse cenário desafiador, o JornalCana reuniu especialistas no assunto no 1º Warm Up CANABIO, realizado no dia 6 de abril, que teve como tema: Soluções sustentáveis para a crise de fertilizantes químicos. E as sugestões são o “mote” da matéria de capa desta edição.

O Jornal destaca, ainda, o potencial do etanol quando se fala em mobilidade e descarbonização, pois o biocombustível “conversa perfeitamente com o sistema de eletrificação”, ressalta Thiago Sugahara, da Toyota, que afirma ainda que essa é uma grande oportunidade para desenvolver uma nova cadeia de autopeças no Brasil. Ainda sobre esse assunto, a edição de maio traz entrevista exclusiva com Adalberto Maluf, presidente da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), que, apesar de focado no setor de veículos elétricos, é um grande defensor do etanol.

LEIA MAIS >Feplana defende a produção de fertilizantes pelo Brasil

Também ganham destaque, nesta edição, as estimativas de moagem de cana-de-açúcar para a safra 2022/23 no Centro-Sul e as expectativas de algumas unidades em relação à temporada já iniciada. Além disso, é possível encontrar informações sobre as principais transações do mercado bioenergético e os investimentos realizados para a produção de etanol de milho e biogás.

Na área agrícola, o/a leitora(a) encontra informações sobre a Meiosi, sistema que permite o plantio de uma cultura intercalar de ciclo mais curto, agregando receita aos produtores na mesma área e servindo ainda, em muitos casos, como adubo verde, o que propicia ganhos de produtividade nos próximos anos.

Além disso, o Jornal mostra que as usinas estão ampliando a utilização de resíduos orgânicos nos canaviais. A medida contribui para redução do uso de fertilizantes e emissões de GEE.

É muito conteúdo interessante.

Boa leitura!

Para ler o jornal completo, clique AQUI!

 

biogáscanaviaisetanolFertilizantesrespiduos orgânicos