Brasil e China chegam a acordo na OMC sobre importação de açúcar

O Brasil questionava a aplicação de sobretaxas pelo país asiático nas importações do produto

O Brasil e a China chegaram a um entendimento nas consultas sobre as salvaguardas do açúcar iniciadas na Organização Mundial do Comércio (OMC). O Brasil estava questionando na OMC a aplicação pelo país asiático de sobretaxas às importações de açúcar.

O governo brasileiro também questionava a administração da quota de tarifas mantida pela China para a compra de açúcar e o sistema de licenciamento automático para as importações que excedessem a quota.

Em nota conjunta, os ministérios da Agricultura e das Relações Exteriores não explicaram os detalhes do acordo. O comunicado informou apenas que o entendimento entre os dois países foi alcançado sem a necessidade de abertura de um painel (espécie de julgamento) na OMC.

LEIA MAIS > As usinas com melhor performance serão destacadas no MasterCana Centro-Sul

“Nos termos do entendimento alcançado, as preocupações que embasaram o pedido de consultas brasileiro deverão ser atendidas, de modo mutuamente satisfatório, sem a necessidade do estabelecimento de um painel na OMC para examinar a matéria”, informou o texto.

Emitido durante a visita do vice-presidente, Hamilton Mourão, à China, o comunicado destacou o empenho dos dois países em chegar a um acordo. “O Brasil vê positivamente o resultado alcançado, que reflete o engajamento e a disposição construtiva de ambas as partes para alcançar uma solução para a disputa.”

O país asiático é atualmente o principal parceiro comercial do Brasil, concentrando 26,82% das exportações brasileiras de janeiro a abril.

LEIA MAIS > Açúcar brasileiro ganha disputa na OMC contra subsídios indiano

Na segunda-feira, o Departamento de Comércio americano anunciou que os EUA decidiram adiar até meados de agosto a proibição de exportações de tecnologia para a Huawei.

O vice-presidente, Hamilton Mourão afirmou que a palavra-chave para o Brasil em relação à guerra comercial entre China e EUA é “flexibilidade”. “O Brasil não pode se curvar nem para o lado A nem para o lado B. Nós temos que saber aproveitar o melhor disso aí”, disse.