A irrigação por gotejamento ajudando nos efeitos pós-geada nos canaviais

Ação contribui para o desenvolvimento de um novo ciclo da cultura

Recentemente, canaviais da região centro-sul, principalmente em São Paulo e Mato Grosso do Sul sofreram enormemente com uma sequência de fortes geadas.

Estima-se que o fenômeno levou a perdas de 5% a 15% na produtividade dos canaviais, sem somar com perdas já ocasionadas pela estiagem que vivenciamos em 2021.

As perdas de produtividade ocorrem, pois, as baixas temperaturas matam a gema apical das plantas impedindo que elas cresçam. E, dependendo da idade do canavial, pode ocorrer perda de qualidade, ou seja, redução do ATR.

Quando isso ocorre, temos 3 alternativas:

  • Colher o canavial, enviando para indústria, caso já tenha idade mínima para corte.
  • Roçar a lavoura e realizar um novo ciclo, caso o canavial já possua colmos, mas ainda não tenha idade mínima para corte.
  • Aguardar que o canavial rebrote novamente, caso seja muito novo e ainda não tenha colmos.

Independente da alternativa, perdas de produtividades ocorrerão, nesta safra e na seguinte.

Apesar da situação adversa, quem possui irrigação por gotejamento pode utilizá-la como ferramenta para reduzir as perdas. A irrigação não irá evitar que haja a morte de plantas, mas contribuirá para o desenvolvimento de um novo ciclo da cultura.

LEIA MAIS > BP Bunge Bioenergia mostra plano estratégico para aumentar disponibilidade industrial em 5 anos

Assim, caso seja necessário colher, roçar ou aguardar o novo perfilhamento, o canavial necessitará de água e nutrientes para o processo. Mas como isso irá ocorrer, se as chuvas estão previstas apenas para outubro?

Com o sistema de gotejamento é possível fornecer água para as plantas na quantidade e momento ideais. Além disso, podemos fazer o uso da Nutrirrigação, aplicando fertilizantes a base de nitrogênio, zinco e boro, contribuindo para um maior desenvolvimento vegetativo inicial. E, por último, através da tecnologia “Drip Protection”, podemos realizar a aplicação de estimulantes (químicos ou biológicos), levando a uma aceleração no crescimento das plantas.

O sistema de irrigação por gotejamento aplica água diretamente na região radicular, em alta frequência e baixa intensidade, através de emissores conhecidos como gotejadores, visando suprir a deficiência hídrica da planta, e mantendo o solo próximo à sua capacidade de campo. Os emissores podem ser enterrados ou superficiais de acordo com a necessidade e as características da cultura.

Devido a essas características, é possível concluir que o sistema de irrigação por gotejamento é uma ferramenta muito útil para diminuir prejuízos causados pelas geadas.

irrigaçãotecnologia