JornalCana

Agenda climática pode atrair US$ 100 bilhões em investimentos para o setor agrícola no Brasil, aponta BCG

Iniciativas de agricultura sustentável, bioenergia e soluções baseadas na natureza têm potencial para reduzir mais 1.800 Mton de CO2e até 2030

O agronegócio é um dos segmentos de maior dinamismo da economia brasileira, contribuindo com até 10% da cadeia global de alimentos, e também apresenta enorme potencial para a redução de emissões de gases de efeito estufa, de acordo com o novo estudo do Boston Consulting Group, intitulado Semeando o futuro: O agro como pilar da transição climática no Brasil.

Segundo o material, para viabilizar as áreas prioritárias de uma agenda positiva de redução de emissões deverão ser investidos US$ 100 bilhões de dólares em agricultura sustentável, bioenergia e soluções baseadas na natureza até 2030.

LEIA MAIS > Valor Bruto da Produção Agropecuária em 2023 é estimado em R$ 1,179 trilhão

“O investimento na agenda de baixo carbono no setor, que atualmente responde por 20% das emissões nacionais, será uma oportunidade para que o agronegócio seja protagonista na agenda da transição climática. A indústria tem pela frente o desafio de buscar um posicionamento relevante no aspecto climático não somente para o Brasil, mas para o mundo como um todo. A articulação da cadeia produtiva certamente viabilizará a materialização dessas oportunidades”, afirma Arthur Ramos, diretor executivo e sócio do BCG, e um dos autores do estudo.

De acordo com o BCG, as iniciativas de agricultura sustentável – métodos que utilizam processos naturais para produzir melhores colheitas e capturar carbono – podem envolver investimentos para o maior uso de plantio direto, sistemas de irrigação eficientes, na recuperação de pastagens degradadas e na mudança da infraestrutura de transporte de produtos agrícolas. Essa transformação da forma de se trabalhar no campo deve gerar reduções de emissões de GEE em mais de 200 Mton de CO2e carbono equivalente até 2030, desde que a demanda de US$ 75 bilhões de investimento seja suprida. Embora já adotadas no Brasil, e como refletido no Plano ABC, ainda há muito espaço para o agronegócio avançar no uso dessas técnicas mais inovadoras.

LEIA MAIS > Perspectivas do agro serão avaliadas durante o 22º Congresso Brasileiro do Agronegócio

Outra frente que pode ser explorada é o aproveitamento e o fomento de soluções baseadas na natureza (NBS), que visam mudanças de comportamento no campo para usar os recursos naturais de forma mais sustentável. Atualmente, o Brasil é o principal país em potencial de mitigação de emissões nessa frente, podendo mitigar até 1.500 Mton de CO2e até 2030 a partir da expansão destas soluções, alavancando todo o potencial de suas florestas.

A bioenergia é o terceiro pilar que receberá a atenção dos investidores nos próximos anos. O Brasil já é uma referência mundial na geração de energia limpa: em 2023, por exemplo, 42% da matriz energética do Brasil será formada por fontes renováveis, e existem alguns programas nacionais de incentivo à produção a partir de fontes de baixo impacto, como RenovaBio, Metano Zero e Combustível do Futuro.

O estudo aponta que esses movimentos são importantes, pois mostram às empresas que a adoção de práticas mais sustentáveis trará benefícios aos negócios, incentivando a aderência e a busca por alternativas verdes. “Já é esperado que até 2040 cerca de metade da matriz energética do Brasil seja advinda da biomassa, cuja fonte produtiva é a agricultura. E esse é um diferencial enorme comparado ao resto do mundo.

LEIA MAIS > El Niño deixa o setor do agronegócio em alerta

O que vemos na média global é que a fatia de combustíveis fósseis na matriz ainda será de mais de 60% no mesmo ano, apesar de todos os esforços globais para redução de emissões. Essa é uma oportunidade para o Brasil não só atuar localmente, mas contribuir globalmente com outros mercados no seu processo de descarbonização através da bioenergia”, afirma o executivo.

A análise do BCG conclui que as diferentes alavancas relacionadas a agricultura sustentável, NBS e bioenergia podem levar a redução total de até 1.800 Mton de CO2e até 2030. Para se ter uma noção da magnitude do impacto, tal montante equivale ao total de emissões reportadas pelo Brasil em 2021 em mudanças do uso da terra e agricultura (que representam cerca de 80% do total de emissões do país). A agricultura sustentável traz vantagens não apenas relacionadas à redução das emissões, mas também ao aumento de produtividade no campo. Por fim, a agenda climática abre novas rotas de crescimento para o agronegócio brasileiro, além de auxiliar na preparação para mudanças regulatórias relevantes, como aquelas em discussão na União Europeia (exemplo: restrição da importação de mercadorias relacionadas ao desmatamento).

LEIA MAIS > Usina Santa Adélia inicia atividades do projeto Polo Igaraí na unidade Pereira Barreto

“A agricultura tem um papel fundamental na economia do Brasil e com certeza será um dos protagonistas na agenda climática. A transição para uma indústria mais sustentável demonstrará o potencial do agronegócio brasileiro em manter sua incontestável posição de liderança global”, finaliza Arthur.

estudo está disponível no site do BCG.

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
Visit Us On FacebookVisit Us On YoutubeVisit Us On LinkedinVisit Us On Instagram