Gestão Administrativa

Quanto vale um conselho?

Quanto vale um conselho?

Um experiente produtor sucroenergético encontra-se diante de uma situação difícil: 80% da receita prevista para a safra será destinada para honrar o pagamento de dívidas com bancos, o que simplesmente inviabilizará as atividades da usina. Patrimônio tem, mas está todo alienado. Vender as usinas, que apresentam excelente performance operacional e comercial, seria a solução. Mas cadê comprador?

Depois de décadas contribuindo com o desenvolvimento do país e participando do boom de implantação de usinas acreditando no “etanol é nosso” tão bem propagado pelo ex-Presidente Lula, e amargando prejuízo atrás de prejuízo com os seguidos desmandos do governo Dilma no setor, enfim o desalento total se abate sobre o empresário. Que absurdo, que injustiça! E ninguém faz nada?!

Então uma solução mágica é apresentada: uma medida judicial que dá seis meses de fôlego para as finanças da empresa e força os bancos a “engolir” perdas e prazos no pagamento das dívidas, ainda que exista a possibilidade também da família perder tudo. Mas, perdido por perdido, a medida drástica é tomada!

Ao tomar conhecimento do fato, um amigo próximo decide visitar o empresário e ver se pode, de alguma forma, ajudar a família. Na conversa, o amigo percebe a pressão que estava submetido o produtor ao tomar aquela atitude drástica. Mas também identifica que, apesar de todas as dívidas com bancos, a usina não se enquadrava exatamente no perfil de insolvência que a medida judicial contemplava e, por esta razão, havia uma grande possibilidade do “tiro sair pela culatra”, causando a paralisação das atividades da empresa e impactos terríveis para todo o sistema de crédito do setor.

Difícil era desarraigar o empresário experiente, e de um caráter irretocável, de uma decisão já tomada! Contudo, fruto de uma amizade sincera e de uma coragem espontânea, o amigo ousou enfrentar os argumentos emocionais e desafiar um conceito em desuso de honra improdutiva, a qual aceita perdas inconsequentes apenas por uma palavra empenhada a alguém que não necessariamente assume o mesmo nível de comprometimento.

Também foi fundamental criar uma ponte para a esperança, mostrar que existiam alternativas viáveis e consolidadas no mercado, mas elas apenas não estavam dentro do campo de visão do empresário devido à pressão daquele momento difícil. Caso ele desse  abertura, a medida já tomada poderia servir para abrir um caminho de negociação que poderia garantir a continuidade das atividades da empresa e beneficiar todos os envolvidos. E que ele contaria com pessoas competentes para o êxito desta tarefa.

Esta história ilustra bem o impacto que bons conselhos podem gerar a uma família, a uma empresa, a milhares de colaboradores e a todo um mercado.  Não é à toa que a Bíblia está cheia de passagens que estimulam cercar-se de bons conselheiros, pessoas que são isentas, portanto de confiança; e competentes, porque conseguem transformar conselhos em ações práticas.

Isto me leva a uma reflexão interessante: imagine se a Presidente Dilma contasse em seu círculo próximo com alguns conselheiros isentos e competentes, em vez dos fisiologistas de plantão? Sem dúvida, o setor sucroenergético e o próprio Brasil estariam numa rota de desenvolvimento e prosperidade, bem diferente da profunda crise que assola a nós todos.

Os fatos demonstram o quanto vale um conselho. Um conselho bem dado, no momento certo, pode evitar uma tragédia, seja para uma pessoa, uma empresa, um mercado ou para todo um país.

Banner Revistas Mobile