fbpx

A balança comercial com perspectiva incerta

Caso se confirme a desaceleração da economia da China – nossa maior parceira comercial -, isso poderá se tornar um fator a mais de pressão sobre nosso balanço de pagamentos e nossa balança comercial, já deficitária em US$ 2,049 bilhões nas primeiras três semanas do mês. Um mau começo de ano depois do superávit de apenas US$ 2,56 bilhões em 2013, inflado pelas exportações de plataformas de petróleo operadas em águas brasileiras. As expectativas de mercado são de um superávit comercial na casa dos US$ 9 bilhões, mas é cedo para acreditar nas projeções, mesmo com a desvalorização do real.

As exportações de US$ 736,8 milhões, na média diária de janeiro, aumentaram 1,5% em relação ao mesmo mês de 2013, mas dependem cada vez mais das commodities. Produtos como minério de ferro, carnes bovina, suína e de frango e café em grão ajudaram a elevar a média diária de exportações de itens básicos de US$ 307,4 milhões, em janeiro de 2013, para US$ 369,3 milhões, nas primeiras semanas deste mês (+20,1%). Já as vendas de semimanufaturados caíram 20,2% e as de manufaturados declinaram 3,1%, para apenas US$ 255,6 milhões diários.

O País exportou menos polímeros plásticos, açúcar refinado, máquinas para terraplanagem, automóveis de passageiros, suco de laranja e laminados planos de ferro ou aço.

Já as importações aumentaram 30,1%, saindo da média diária de US$ 806,1 milhões, em 2013, para US$ 1,049 bilhão, neste ano. Comprar bens produzidos no exterior continua sendo mais barato do que adquirir bens feitos aqui, onde a indústria, onerada por tributos e deficiências de infraestrutura, pouco investiu e mal consegue elevar a produtividade.

O curto período de 17 dias deste mês não basta para fazer previsões confiáveis sobre o desempenho das exportações neste ano. Mas, ainda que o câmbio ajude os exportadores – o que não está predeterminado, dado o impacto negativo da valorização do dólar sobre a inflação -, eles enfrentam graves dificuldades. Departamentos econômicos como o do Bradesco estimam que o superávit comercial deste ano não passará dos US$ 6,9 bilhões, abaixo da média de mercado.

O mau começo de ano para as vendas externas deveria levar o governo a rever a política comercial, para desonerar a exportação. Desta depende a redução do déficit na conta corrente do balanço de pagamentos de US$ 80,1 bilhões, em 2013, para algo como US$ 72 bilhões, em 2014.

Inscreva-se e receba notificações de novas notícias!

você pode gostar também
Comentários
Carregando...
X